Happy Happy Joy Joy

Domingo de páscoa é dia de passear na Praça da Liberdade… e de rever uma coisa que sempre me diverte.

Você já prestou atenção naqueles trenzinhos da alegria? E já viu que nenhum dos passageiros do trenzinho estão sorrindo?

Post de fim de noite

Taí, fui lá no urologista. Sala de espera de urologista é a coisa mais engraçada que tem. Todos os homens que estão lá ficam inquietos e tensos, se entreolhando e pensando: “o que será que aquele cara tem? Será que ele tá com alguma doença venérea? Será que ele acha que eu estou?!”. Quando chega alguém pela porta, é um estardalhaço de olhadelas discretas, todos olham e pensam: “meu Deus, aquele cara que está entrando sabe que outro homem vai pegar no meu pinto!”

Só não deve ser pior que a sala de espera do proctologista…

Um fato estranho do dia: hoje, no centro da cidade, havia uma mendiga com o filho nos braços, sentada na calçada com o chapéu à frente pra pedir dinheiro. Até aí tudo bem, mas ela não dizia repetidamente a atual ladainha de “dá um trocado, moço”. Ela comia meio Kinder Ovo, e dizia: “come chocolate comigo, moço”.

É, tem certas coisas da vida que nasceram pra não ter explicação.

E por último, mas não menos importante, acabei de ver o “Fabuloso Destino de Amélie Poulain”, indicado ao oscar de melhor filme estrangeiro. Filmaço!!! Não perca de jeito nenhum.

Tou falando sério, levanta daí e vai lá ver!

such a perfect day

Hoje não tem absolutamente nada interessante no meu dia.

Bom, exceto pelo fato de que eu vou ao urologista.

Reformulando a frase: O fato mais interessante do dia de hoje é que outro homem vai pegar na minha genitália.

Mas é por isso que eu amo o Audiogalaxy!!

Neste link para um grupo sobre techno, a seguinte frase dos administradores do grupo:

“Se você está procurando aquela faixa que ouviu no fim de semana ou uma música que não está no Audiogalaxy, eu e os outros operadores temos grandes coleções de vinil. Apenas coloque uma mensagens no grupo e será um prazer ajudá-lo”

E ainda peguei uma nova user interface pro Satellite. Que Kazaa que nada, Audiogalaxy é o bicho.

IBM vs. Microsoft: os dois ganham

Sim, eu realmente preciso de um outro emprego.

Estive conversando com o Gerente da Tecnologia aqui do Banco. Foram 15 minutos de conversa, foram 15 minutos em que ele ficou insistindo que “mainframe nunca vai morrer” e que sisteminhas em plataforma baixa (Visual Basic, Delphi, etc) não prestam pra nada. Ainda ressaltou que nos EUA os profissionais de mainframe estão em falta e os que aparecem vão sendo contratados a peso de ouro, já que as faculdades não formam mais ninguém pra mexer nas velhas “geladeiras”. Quanto riso, quanta alegria enquanto ele ridicularizava os pobres servidores NT…

Dá até pra ver o tapa-olho de burro na cara do meu gerente. Se as faculdades não formam mais gente para mexer com Mainframe, se no mundo os servidores de plataforma baixa se multiplicam cada vez mais, é porque tem uma fatia de mercado em que o servidor NT é cem vezes melhor do que o Mainframe. Mas ninguém aqui tem o bom senso de enxergar isso, e pensam que todas as empresas do mundo são Bancos grandes com necessidade de processar um volume inacreditável de informação em pouco tempo.

Também não enxergam que a maioria das grandes empresas que migraram para plataforma baixa, e hoje estão tendo problemas, não mudaram sua forma de processar informação. Mainframe é excelente para um grande volume centralizado de dados. Servidores são excelentes para dividir poder de processamento, realizar análise e transformação de dados in loco, etc. É irracional esperar que um servidor NT aguente processar movimentação bancária toda noite.

É fogo

Mas como tem gente idiota e com muito tempo sobrando nesse mundo.

Este cara documentou, com fotos, as suas tentativas de fazer fogo com gravetos, no estilo “náufrago”. Com fotos detalhadas de cada graveto usado, e inclusive filminhos MPEG do processo. Até uma guarda-florestal ele consultou. Depois de SEIS DIAS de tentativas ele conseguiu.

Ele também fez outras coisas criativas (e extremamente bem documentadas), como se fantasiar de África…

E quando eu leio coisas assim, o significado da palavra “babaca” toma uma solidez impressionante.