Eureka!

E lá estava eu, num bar com uns amigos, conversando abobrinha, quando de repente, do nada, veio na minha cabeça:

Poligonal

Meu Deus, é isso! Peguei o celular:

Luiz? É Zé Carlos, beleza?
– Oopa! Beleza… tou indo pra um show aqui em Sélagoas
– Cho te falar, pensei num nome pro CD… Poligonal!
– Nóóóóóó!!! Perfeito!!! Haha, anota isso aí!!

E assim acaba de nascer o nome do próximo CD dos Bit Cousins

Descanso Santo

Minha semana santa foi excelente: passei quatro dias num sítio que só tem vantagens:

Proximidade – eu levo 15 minutos do portão da minha casa até o portão do sítio. E o sítio fica a 5 minutos do shopping.
Conforto 1 – O sítio é ENORME, acomoda 18 pessoas em camas + umas 30 (calculo eu) em colchonetes/sofás. Tem duas suítes de casal, zilhões de quartos de solteiro…
Conforto 2 – Piscina, sauna, área de churrasqueira, duas cozinhas, sala com 2 ambientes, quadra poliesportiva…
Preço – O aluguel do sítio mais alimentação (que nós mesmos cozinhamos) ficou em R$ 25/dia. Baratíssimo.

Minha rotina foi, basicamente, acordar tarde, jogar um voleizinho/futebolzinho, cair na piscina, ir pra sauna, voltar pra piscina, almoçar (geralmente às 5 da tarde), tomar um banho e ficar tocando um violãozinho na varanda até de madrugada…

Tirei zilhões de fotos, depois boto algumas mais artísticas por aqui. E fiz a mais nova descoberta dos nomes toscos de comércio: As batatinhas FREE TEEN, sempre fritinhas!

(Putz, esse “free teen” vai me render um alto ranking no Google)

Uhhh… hein?

Dislexia total hoje. A partir de um certo horário eu esquecia de tudo e não conseguia mais me concentrar em nada.

Fui pra casa do Gabriel (leitor do blog) pra encontrar mais uns amigos e fazer os planejamentos do sítio que estamos esquematizando pro feriado. A tevê estava ligada na MTV, passando um maldito “especial acústicos”.

Minha mente simplesmente desligou e eu não conseguia tirar o olho da TV. As propagandas iam se repetindo, repetindo, repetindo… e eu continuava vendo, sem parar.

Quando me perguntavam alguma coisa eu mal sabia do que se tratava. Teve momentos engraçados:

(Gabriel) Mas aí a gente podia levar uma bacia pra temperar carne lá, né Zé?
(Eu) Hein? Playstation?
(Todos) Hahahahahahaha!!!!!!

O Xis da questão

O curso hoje teve um evento interessante…

Nas atividades em grupo, num exercício, o tempo pra fazer tudo ia se esgotando e meus outros 2 colegas do grupo tavam detalhando umas atividades no MS Project. Aí, eu sugeri:

– Gente, o tempo tá curto, vamo botar um valor qualquer aí e ajustar só o global da coisa… gente? Oie…

Aí, como eles estavam, er, concentrados um pouco demais, desisti e fui adiantar a apresentação do Power Point que faltava. De repente, os outros grupos começaram a apresentar os trabalhos!

Dei uma acelerada pra dar tempo, copiei uma figura do MS Project que era pra colocar junto da apresentação e terminei tudo no exato momento de apresentar. Aí, via “dedocracia”, fui escolhido pra ir apresentar o resultado.

Eu ia explicando tudo direitinho quando, na hora que chegou o slide com a tal figura do MS Project… no lugar dela havia um X, enorme, vermelho. E eu lá, com cara de tacho:

– Er… aqui temos um, bem, um xis vermelho…

Powered by Music

Eu ando bastante preocupado com essa minha alimentação saudável, composta de coffee break de hotel e outras coisas engordativas. Aí, comecei a correr, todo dia, depois do serviço.

Nos dois últimos dias, peguei o meu Pocket PC, calibrei com meia hora de música e saí pra correria.

É impressionante como o meu rendimento aumenta. Mas é muito, muito mesmo! Eu diria que eu corro uns 30% mais vigorosamente quando tem algo bom abastecendo meus ouvidos. Principalmente techno, bem pesado.

Faz com que você “desligue” a cabeça do corpo…

O Melhor Namorado do Mundo

Hoje tentei ir ao cinema com minha irmã e minha namorada pra ver Carandiru, mas obviamente tava tudo esgotado. Aí, tinha um filme pré-estreando, chamava-se Como Perder um Homem em 10 Dias.

Obviamente, as mulheres quiseram ver esse filme, então lá fui eu. Mas nada podia me preparar para o que ia acontecer…

E o que aconteceu foi… a glória!!!

Em linhas gerais, a história do filme é de uma jornalista que, para escrever uma matéria pra revista estilo “Marie Claire” onde trabalha, resolve namorar um cara e fazer tudo aquilo que os homens odeiam pra que o cara termine com ela depois de 10 dias. É meio que um laboratório de más práticas femininas em relacionamentos. Só que o cara não termina com ela porque fez uma aposta, valendo uma oportunidade de trabalho cobiçadíssima, de que faria com que ela se apaixonasse por ele, também em 10 dias.

Minha namorada também é jornalista… e aí começam as coincidências. Praticamente TUDO que a mulher fez pra repelir o cara já foi feito comigo, em menor ou maior grau. Ou seja, tudo o que o cara aguentou por causa da aposta, eu aguentei sem aposta alguma.

Ah, mas eu nunca ri tanto. Cada situação bizarra do filme (que não vou contar pra não estragar a surpresa de quem não viu o filme) me lembrava alguma coisa dos quase 4 anos de namoro, a sucessão de dejá-vus me fazia contorcer de tanto dar risada. Depois do filme, eu me sentia o mestre supremo da paciência e da tolerância, por ter passado por tudo que o cara passou, sem a motivação da aposta, e continuar amando muito minha namorada por todos esses anos.

Cara, isso tá em falta. Modéstia à parte, eu sou o melhor namorado do mundo 🙂

Consultoria: a única certeza é a incerteza

Eu tou adorando essa história de não ter lugar pra trabalhar. Isto é, lugar fixo, pra ir todo dia… uma mesa “de sempre”, um computador “de sempre”… a coisa fica bem emocionante.

O treinamento mudou de hotel, fomos para um flat de primeira: Parthenon Casablanca é o nome do lugar. Um dos cariocas que faz curso conosco está ficando sozinho num quarto com 2 camas de casal, 2 salas, 2 banheiros, cozinha e o escambau.

E o treinamento ficou misto, tem vários outros instrutores mais velhos, assistentes e sêniores, na turma. Aí, adivinha o que voltou por causa disso? O coffee break cancelado…

E como se não bastasse, voltamos a almoçar no hotel, também por causa disso… o filé ao poivre (o que diabo é isso?) que tinha no almoço tava tão macio que nem parecia carne. Desmanchava na boca. Mas a parte mais gostosa do almoço foi o “é de graça”.

Ah, essas incertezas e faltas de lugar fixo da vida de consultoria são excelentes às vezes…

Cosmopolitan

É muito engraçado conviver com gente de outros estados. Hoje o carioca que tá no curso com a gente me perguntou como se diz jazz em Minas Gerais:

– Como vocês dizem “djéix”?
– Hein?
“Djéix”
– Ah, “Jézz”
“Djéixxzzz”… droga!

Vem Car no Bar Kim!

Hoje eu fiz uma descoberta surpreendente… eu passo todo dia em frente a esse lugar e nunca tinha notado o nome ridículo dele.

E fica a menos de 100 metros do Lava-Jato Vem Car, aqui perto de casa… é o Bar Kim!

Esse vai pra coleção… ah, e ainda falta tirar uma foto do outdoor que vi outro dia, da empresa de ar condicionado que deve ter um pé na pintura, já que se chama Renoar. E tem também uma que não pode faltar de jeito nenhum: a mais nova boate de BH, chama-se Bomb.a.r.

Eu aposto que você vai emburrecer

Agora tá provado… os americanos são o povo mais idiota da face da terra.

E está provado também que é possível ser mais imbecil do que os caras do Jackass.

Ontem estava zapeando e vi na MTV Latina um programa da MTV americana… o I Bet You Will.

Basicamente é o seguinte: os caras da MTV vão até uma faculdade, pegam um caboclo e apostam dinheiro pro cara fazer alguma estupidez/nojeira/humilhação. Obviamente, todo mundo aceita.

O problema são as provas do programa…

A primeira prova que vi foi uma menina quem participou. Havia uma privada, cheia dum líquido marrom não-determinado e, sob o líquido, umas espigas de milho. A menina tinha que pegar o máximo de milho que pudesse num tempo especificado, e ia ganhar $5 por espiga. A menina pechinchou e subiu o preço por espiga pra $15.

Aí começou a prova… e eu mal pude acreditar. Não percebi um detalhe: ela devia pegar as espigas com a boca, o que significa enfiar a cara na privada. E ela foi e fez… eu segurava minha cabeça com as mãos e via aquilo embasbacado.

Uma hora a menina meteu a testa na beirada da privada, a multidão em volta gritou “oooohhhh!!!”, e a imbecil da menina continuou metendo a cara na merda. No fim, ela pescou o equivalente a $115 em espigas.

E pra fechar com chave de ouro, a câmera focalizou nela, imunda, com um galo enorme na testa e o dinheiro na mão, rindo a risada da ignorância, dizendo um slogan patético tipo: “I Bet You Will, fiquei milhonária!”

As imbecilidades iam se sucedendo, com os universitários idiotas fazendo torcida, rindo e pedindo pelamordedeus pra serem escolhidos pra coisas estúpidas, como “baseball de celular”, onde o apresentador jogava o celular do próprio cara para o cara rebater com um taco de baseball. Se ele acertasse, ganhava $30, se perdesse, o apresentador destruía o celular do garoto. Negócio da china.

Mas a pior foi a do bacon. O cara pegou uma menina e mostrou pra ela um shortinho cheio de tiras de bacon penduradas. Ela teria que tirar as calças no meio de todo mundo, vestir o shortinho, botar um nariz de porco e sair pelo campus dizendo apenas uma frase:

Eu estava fazendo bacon e fiz demais, coma um pouco!

Pra cada bacon comido, ela ganharia a ridícula quantia de $3. Aí a menina amarelou, o apresentador foi aumentando a oferta até $10, e como a menina não aceitava, ele virou pra platéia e perguntou se alguém faria a prova por $10. De imediato uma segunda menina se candidatou. E então, o horror: a primeira menina começou a abaixar o preço pra poder participar, ao mesmo passo que a outra também abaixava pra não perder a chance.

– Faço por $8!
– Eu por $5
– Eu por $2,50!!
– Fechado por $2,50 para essa menina aqui!! – Gritou o apresentador

Nessa hora eu, literalmente, gritei ajoelhado em frente à TV segurando a cabeça com as mãos: “NNNNNÃÃÃÃÃÃÃÃOOOOO!!!!!”

No site do I Bet You Will está escrito: “Só porque você está na faculdade não significa que você é inteligente”. Eles estão corretíssimos.