Pow!!! Estacionei.

E eu que achei que tinha ficado livre dos colegas de trabalho esquisitos…

Hoje estávamos conversando sobre o povo que coloca engates de reboque no carro só pra poder destruir pára-choques alheios quando vai estacionar, quando uma colega solta a bomba:

– Quando eu faço baliza, eu estaciono pelo som…
– Cooomo assim?? (todo mundo perguntou)
– Eu vou entrando de ré e fico ouvindo até eu encostar no carro de trás…

R$ 300 por meio Hino nacional

Eu devia estar indo dormir mas essa eu tenho que contar.

Hoje rolou uma palestra com um guruzão da Administração, o Tom Peters, abrindo um megaevento de palestras de bam-bams da gestão, intitulado “Gestão do Futuro”. Isso tudo ia acontecer no Palácio das Artes, aqui em BH.

Devido a minha nova profissão, eu queria bastante ir, mas desanimei quando vi o preço: R$ 300, só pra ver o Mr. Peters…

Aí ontem me liga um amigo falando assim:

– Ô Zé… eu tou precisando recrutar umas vozes pra formar um coralzinho pra cantar o hino nacional lá na palestra do Tom Peters… não tem cachê nem nada, mas quem quiser ficar pra ver a palestra, pode… como você conhece canto coral, eu te botaria lá como sendo do coral da minha faculdade… tá a fim?
– Mas é ÓBVIO que sim!!!

Em resumo: entrei pelos fundos do Palácio das Artes, sem fila (a que houve foi bem grande), cantei, com a galera do pseudo-coral, só a segunda metade do hino, do meio da platéia mesmo (era pra ser uma surpresa. A primeira parte foi cantada por um menino de 5 anos, no palco). Me dei bem.

A palestra foi excelente, excelente mesmo, e no final ainda teve um coquetel, com champanhe e o escambau… e “paguei” meu ingresso dizendo: Deitado eternamente em berço esplêndido…

Algumas impressões sobre a coisa toda:

1) O senhor Peters é um cara fora de série, mudou meu conceito de liderança. E me ensinou outra coisa por tabela: ser incisivo, quase agressivo quando se está falando valoriza bastante (embora de um jeito meio bizarro) seu ponto de vista.
2) Esqueci de dizer que a palestra foi toda em inglês. Havia tradução simultânea em uns fonezinhos de ouvido que o pessoal distribuiu e que foram usados, para minha surpresa, por 70% da platéia. Putz, pra que serve, afinal, esse tanto de curso de inglês que pipocam por aí?

(Se você se perguntou, não, eu não usei os fones. E entendi 98% da palestra)

3) O engraçado eram as piadas com delay: O Tom falava, quem estava sem fone ria, depois de uns 2 segundos o pessoal do fone ria também…
4) O começo do evento ia bem, trouxeram um pessoal tocando tambores de maracatu, fizeram um batuque muito legal… aí de repente me entra um “transformista” (palavra educada para “travesti”) ruivo de sapato de salto e saia rodada dançando aquela música:

Morena de Angola que tem o chocalho amarrado na canela…
Será que ela mexe o chocalho ou o chocalho é que mexe com ela?

E pra coisa piorar, descem mais DOIS travestis seminus em cordas, de cima do palco, e o trio viadagem dança “Brasil, mostra a tua cara”, na voz da cantora-botinha Simone. Com direito a reboladinhas e pulinhos. Parecia um show da Madonna.

Um dos travecos era um negão, alto e das pernas musculosas. E sambava como louca, chacoalhando a bunda e as pernas musculoas em cima do sapato de salto. Eu tive vergonha do meu país. Inclusive a primeira coisa que o Tom Peters falou foi:

– Normalmente eu sou a tempestade depois da calma, mas depois de ver isso eu acho que estou sendo a calma depois da tempestade…

Reason: o 0.5 que faz toda a diferença

Taí. Upgradeei meu Reason da versão 2 pra 2.5…

Eu juro que se tivesse US$ 400 (R$ 1200) eu comprava o software original. E se um dia parar essa grana na minha mão eu vou lá e compro. Vale cada centavo. Os programadores merecem.

O Reason novo incorpora alguns efeitos zero bala. Tem o RV7000, um reverb novinho e com som profissional. Veio pra substituir o pobre reverb antigo e limitado do Reason. O mais engraçado desse reverb novo é que os patches dele foram feitos por vários profissionais da música, compositores, engenheiros de som… e quando você vê quem são os caras, é gente que mixou Backstreet Boys, Kylie Minogue, Christina Aguilera…

E tem o BV512, o novo vocoder. O 512 no nome é porque ele tem 512 (!!!) bandas, o que significa um som “vocodado” de alta fidelidade. E sem comer CPU, o que é impressionante. Outro detalhe é que dá pra usar o BV512 como equalizador multibanda variável, de 4 a 512 bandas. Finalmente vou poder parar de ligar os equalizadores do Reason em cadeia pra conseguir mais de 2 bandas…

E tem o tão sonhado Scream 4… definido como uma “sound destruction unit”. É até engraçado, um dos botões que regula a intensidade do efeito está marcado como “damage control”. Mas além de “espancar” os sons, o Scream 4 não é só pauleira, ele tem também um efeito de “tape saturation” que me deixou bobo. Engorda qualquer baixo, fica maravilhosamente intenso. Agora eu entendi o que o pessoal fica dizendo quando fala que falta um toque analógico na música eletrônica.

Além disso tem uns outros efeitos, um de uníssono, e os mergers/splitters Spider Audio, que misturam/dividem sinal e CV (control voltage). Só faltava isso pro Reason ter uma interconectividade digna de, digamos, um Buzz da vida.

Digita, Lacraia!

Nesse exato momento estou no chat do portal Vírgula com MC Serginho e a Lacraia.

Eu não resisti, eu tinha que entrar pra me certificar de algumas coisas… mas não deu tempo. O chat acabou…

As perguntas que enviei e não foram repassadas pelo moderador para o MC foram:

1) O que você fazia antes do funk?
2) O que vocês acham do hip hop americano?
3) Que ritmos vocês mais gostam? Quais as suas influências?

Não deu tempo de perguntar sobre a formação escolar do Serginho e o que isso tinha a ver com os erros de português das músicas…

Fora isso, eles tem, como mensagem para os jovens brasileiros, a frase: “respeitem-se e lutem por aquilo que vocês acham legal”. Ah, e segundo eles as músicas não difamam as mulheres. E o chat teve respostas hilárias deles, como:

kamila diz: Houve um boato que a Lacraia fez um concurso, no qual dava se a entender que os participantes deviam beijar a Lacraia. Isso é realmente verdade?
Serginho: Kamila, não, dançarino dança e o cantor canta.

Jonas diz:Vc compoe suas musicas?Onde arruma inspiração?
Serginho: Jonas, sim, fazendo amor…

Tiago diz dae blz? me dis uma coisa este tipo de som que vc faz da pra se chamar de funck? ou rap? era isto valeu
Serginho: Tiago, é rap nos estilo carioca, né?

loukita diz: o que te inspirou para fazer a musica pocotó???
Serginho: loukita, minha filha Caroline

Clique para dormir

Esse fim de semana eu passei num seminário da mocidade espírita que frequento. A gente fecha um colégio e passa o fim de semana todo lá, vendo palestras, fazendo dinâmicas, altas coisas. Eu quase morro de tanto correr pra cima e pra baixo resolvendo problemas mas é excelente…

Lá a gente dorme nas salas de aula do colégio, sem as carteiras elas viram “quartos”. Na noite de sexta pra sábado eu ia me deitando quando vi do meu lado um colchonete cuja estampa era de… Windows 3.1.

Matrix Reloaded: Um review mais completo

Pois é, eu acabei de falar do Matrix Reloaded mas vou falar de novo já que estou atoa no serviço. Não leia se ainda não tiver assistido.

Eu imagino que se eu estivesse assistindo o filme com os irmãos Wachowsky, diretores/roteiristas do Reloaded, a coisa seria assim:

– Pô gente… cadê aquelas frases de impacto legais do Morpheus? E o Tank, onde foi parar?! Botaram esse Link tosco aí pra tentar fazer comédia, é?
– Olha… tipo que a gente gastou o enredo todo no primeiro filme, mas olha ali o Neo batendo em centenas de Smiths ao mesmo tempo!
– Uau!!! UAAU!!! Queisso!!!
(Minutos depois)
– Ah nem viu… quando é que esse francês mala vai parar com esse papo idiota?
– Mas isso, er, bem… faz parte da história…
– Tá, ele construiu a “tortinha de chocolate do orgasmo” e fica nesse papo de “causa e efeito”, o que diabos isso tem a ver com a trama?
– Olha… na verdade… ei, dá uma sacada no Neo lutando contra os guarda-costas do francês…
– Uaaaau!!! Uaaaaaaaaaaaaaau!!
– E dá uma olhada no Morpheus-samurai dando porrada no Agente…
– Oooaaa!! Que doido!!!
– E olha ali a explosão dos dois caminhões batendo de frente e com o Morpheus e o Keymaker em cima!! Presta atenção que a câmera vai rodar!
– QUEQUEWILSON!!! Nuooosssaaa!!!
(minutos depois o filme acaba)
– Putz, não entendi nada desse final maluco, mas PUUUTZZZ as cenas de ação são DOIDIMAAAAIS!!!
– Hehe, deu certo! – os irmãos Wachowsky cochicham

Em resumo, não dá pra esperar novidade nesse filme. De fato, vários aspectos de comportamento dos personagens ficaram altamente sub-aproveitados. Morpheus não é mais o mesmo e Zion é decepcionante: uma mistura de monarquia com igreja protestante, festa rave (ou baile funk) e militarismo de palavreado bonito. A parte “filosófica” é outro equívoco: não adianta os críticos quererem que saia filosofia real de um filme de Hollywood. A coisa vai ser meio simplista, afinal tem que ser, por causa do público.

Na verdade, a metáfora das pílulas, a azul e a vermelha, se aplica perfeitamente. Se você tomar a pílula azul, verá a coisa sob os olhos dos críticos especializados, vai ver muita cafonice, um roteiro cheio de coisas manjadas, muito artificialismo, filosofia de boteco, histórias bíblicas com direito a um Jesus-Neo, traidores “judas-like”, um Deus-arquiteto e uma produção orientada para que você ache as (looooooongas) lutinhas revolucionárias.

Agora, com a pílula vermelha… você vai viajar nas falas do Oráculo, ficar confuso e questionar a realidade quando Neo conversa com o Arquiteto… e achar tudo lindamente decorado com as cenas de ação. Você vai até achar o Keanu Reeves um bom ator!

The One… again…

Ontem foi a estréia do Matrix Reloaded

Ontem eu vi Matrix Reloaded…

Sabe… eu estou maravilhado. Nem sei por onde começo esse post. Eu poderia falar horas e horas sobre como o filme superou em muito as minhas expectativas, ou sobre como ele está revolucionando o cinema de ação ou sobre como os irmãos Wachowsky são uns puta gênios do entretenimento… mas eu vou ficar mesmo é com uma frase que ouvi de um cara na saída do cinema. Dizia ele que o filme é assim:

– Filosófico, filosófico, filosófico, bate, bate, filosófico…

A long long time ago in a galaxy far, far away…

Ah, tudo que eu precisava era disso: um domingo inteiro em casa.

Aproveitei e fiz um arranjo para piano e cordas da música-tema do Star Wars. É sério! Vai no site dos Bit Cousins pra baixar e/ou ouvir a música em streaming.

Fiquei bobo com os sons orquestrados que o Reason faz… êta softwarezinho porreta…

P.s.: Putz!! Já lançaram Reason 2.5!!

P.p.s.: Se você estiver tendo problemas de acesso ao blog, ligue 0800-707-5757 e xingue o pessoal do Terra por mim, ok?

Inforuso, canetas gravitacionais, rap de Matrix e Iron Maiden na igreja

Como eu não tenho nada pra falar e o domingo está no fim, o que significa o momento mais depressivo do final de semana, vou falar bobagem.

Sábado fui na Inforuso, a feira de informática patética que tem todo ano aqui em BH. Pra não dizer que perdi meu tempo, comprei uma maaaaaravilhosa caneta 4 em 1: Caneta azul, vermelha, lapiseira e stylus (caneta para palmtop). O mais legal são as instruções de uso: “O funcionamento da caneta se baseia no princípio da gravidade”… hein??

E era verdade: pra escolher a função, você vira a caneta até que um escritinho com a função desejada (“blue”, “palm”, “red”…) fique para cima, e aperta o botão. É até legal.

Mais tarde eu e minha namorada fomos rever Matrix. Só aí que eu notei que, no finalzinho dos créditos, tem uma propaganda do site www.whatisthematrix.com e, embaixo, está escrito uma palavra, que seria uma “password”… (não vou contar qual é, hehe)

Aí, no site tem um link com o campo pra botar a password e que leva a um site secreto, todo maluco, cheio de esquisitices pra clicar. Mostram desenhos conceituais das criaturas do filme, detalhes de bastidores, tem uma “entrevista secreta”, e tem um que é muito legal, o link diz “spoon”, aí toca um rap feito só com diálogos do filme. As sequências são muito engraçadas…

Am I dead? (o que o Neo fala quando acorda, depois de resgatado)
It’s the smell! (o que o Smith fala com o Morpheus durante o interrogatório, no prédio)

Shove that red pill right in your… (Cypher mencionando as pílulas do Morpheus)
HA! (Neo lutando kung-fu com Morpheus)

E hoje de manhã eu fui à missa. É, fui à missa. É que é dia das mães, a avó da minha namorada é megacatólica, de ajoelhar em frente à TV quando assiste as missas na RedeVida, e a família toda resolveu ir junto com ela, pra prestigiar e tal.

Aí, uns 10 minutos depois que eu cheguei lá, a senhora que estava em frente ao meu lugar, de repente, caiu no chão e começou a convulsionar e salivar. E lá estava eu, às 9:10 da manhã de domingo, carregando a pobre da mulher epilética pra longe do banco enquanto o coral infantil cantava…

Ah, e na hora do ofertório, o menino que levou o vinho até o padre estava com uma camiseta do Iron Maiden