Um email

Para: “Fale Conosco” da Tok&Stok (info@tokstok.com.br)

Prezados,

Acho que vocês sabem como é realizar sonhos. Fazer planos, ter idéias, se preparar, criar coragem e perseguir seu objetivo. Sonhos tornam a existência de qualquer pessoa um pouco mais mágica.

Já pararam pra pensar quantos sonhos a Tok&Stok viabiliza? Vocês não vendem simplesmente uma mesa, uma cama ou uma cadeira: muitas vezes vocês vendem o item que faltava pra construir um quarto ou uma sala dos sonhos de alguém.

Foi assim comigo e com a minha noiva. Meu casamento é daqui a dezesseis dias e estamos nos últimos detalhes de decoração do nosso futuro lar. Decoramos todos os cômodos do jeitinho do nosso sonho, com as cores que desejávamos e os móveis mais bonitos que encontramos. Não sei se quem vai ler este email é casado(a) ou não, mas acredite: construir um sonho deste tamanho junto com alguém que se ama é uma das maiores alegrias deste mundo.

Só faltava uma mesa para o escritório. Curiosamente, um item simples como esse estava dando muito trabalho: perdi a conta de quantas lojas percorremos procurando uma boa mesa. Todas elas eram medonhas. Algumas eram tão feias que pareciam que iriam pular em cima de você e devorar o seu fígado (é sério!).

Até que passamos pela Tok&Stok aqui de Belo Horizonte e encontramos uma mesa modelo Cross (cód. CROSSMCT). Foi um alívio para nossos joelhos cansados de perambular pela cidade. Era a mesa perfeita! Bem, na verdade seria, não fosse por um detalhe: o preço. Não que ela seja cara, mas faltavam duas semanas para o casamento, tudo que podíamos (e não podíamos) ter gasto já tinha sido pago, e a mesa estava um pouco acima das nossas possibilidades. E aí é que começa o problema…

Até então nós havíamos conseguido negociar o preço de TUDO que compramos para nossa nova casa. Absolutamente tudo. Choramos desconto na geladeira, pedimos um precinho melhor no colchão… até quantias minúsculas, como 10 reais a menos no preço de um varal, a gente pechinchou. O preço de TODOS os nossos móveis foi negociado. Era bom pra todo mundo: saíamos das lojas felizes porque compramos a cama ou o sofá dos nossos sonhos a um preço melhor, e a loja ficava contente com um dinheiro extra no caixa. Mas na Tok&Stok, para meu espanto, eu fui informado que mesmo numa compra daquele valor eu não teria como conseguir nenhum tipo de desconto à vista, no máximo um parcelamento dito “sem juros” (sejamos francos: os juros já estão embutidos no preço. Ou isso, ou vocês precisam de um novo gerente comercial)…

Eu insisti muito com a vendedora. Queríamos muito aquela mesa, tanto que eu me ofereci até para levar a que estava no mostruário por um preço menor. Mas não teve jeito.

Foi um balde de água fria no sonho do nosso escritório. Era um contrasenso: a melhor loja de móveis que visitamos era a que tinha a pior condição comercial. Mas não tinha jeito: a mesa dos nossos sonhos não podia ser outra. Era a que estava lá no showroom de vocês.

Assim, foi com um sentimento de derrota que voltei à Tok&Stok para comprar a mesa. Não foi com aquela alegria gostosa de estar realizando um sonho. Pra piorar, precisávamos comprar também um gaveteiro para acompanhar a mesa. Pelo menos achamos um daqueles “últimos itens” cujo preço já tinha baixado, porque o gaveteiro sugerido para acompanhar a mesa custava quase o mesmo que ela. O vendedor nos instruiu (muito bem, por sinal) a pagar o “preço casa” (incluindo montagem e entrega) para o gaveteiro, pois a montagem era complexa e podia estragá-lo.

Quando eu estava quase me conformando com a situação, o vendedor nos mostrou as opções de puxadores para o gaveteiro. Após escolhermos, ele disse a coisa mais ultrajante que já ouvi:

– A taxa de entrega para cada puxador é de um real.

Em todos os meus vinte e sete anos de vida eu nunca havia ouvido um absurdo como aquele. Reflita comigo: eu queria realizar um sonho de ter um móvel legal no escritório, e até agora estava pagando o dobro do que queria, numa condição comercial que poderia ser resumida como “do nosso jeito ou de jeito nenhum”, e ainda teria que pagar um real de taxa de entrega para os puxadores do móvel.

Na semana anterior, em outra loja, nós tínhamos comprado uma cômoda para o quarto, com 10% de desconto à vista e com várias modificações personalizadas no acabamento (incluindo seis puxadores!) que graças à boa vontade da vendedora foram feitas sem custo. Mas na Tok&Stok, infelizmente, era diferente.

Acabei aprendendo, do pior jeito possível, a nunca mais comprar nada na Tok&Stok.

Este email é só pra contar como foi que o sonho de uma mesa legal no nosso lar tornou-se uma história que contarei a meus amigos com uma expressão desanimada no rosto. Ah, antes que me esqueça: tomei a liberdade de reproduzir uma cópia desta carta em meu blog.

Atenciosamente,

José Carlos

4 comentários sobre “Um email”

  1. BOA!!! muiiito boa!! e é assim mesmo que nos tratam. é a inversão completa das relações tão característica da tal contemporaneidade. é como se eles estivessem nos fazendo o FAVOR de vender móveis (ou comida, ou livros, ou passagens, ou seja lá o que for.) Respeito e confiança??? IGUALDADE , LIBERDADE E FRATERNIDADE?? Nãããooo. Há um ano e meio eu estava passeando em um shopping aqui de sp (dizem que o mais chique, é mesmo bastante luxuoso e eu tinha a impressão de que ia cruzar com a Gloria Pires ou a Daniela em qq correrdor a qq momento). Até aí tudo bem, lá vou eu passeando minha calça jeans, tênis veín e cabelo amarrado. Vi uma escadinha e uma placa: àrea de lazer. fiquei curiosa. desci. Era um ANDAR INTEIRO de praça de alimentação!!!! e comecei a passear ali (rsrs…adoro descobrir novos pratos e temperos. e já pensava em propor jantarmos ali mesmo – eu e Rodolfo,que estava trabalhando na faculdade ali perto)…de repente tive uma sensação estranha…os restaurantes eu nem sabia se eram livrarias, antiquários ou sei lá.. . e notei que os garçons me olhavam com a cara de: mas de onde vc saiu? EU descobri como um menino de rua se sente ao entrar em algum lugar onde não é desejado. Fiquei tão intimidada que só não voltei pelo mesmo caminho para não ter de encarar os mesmos garçons. a primeira escada que achei subi correndo. e fiquei lá sentada quietinha em um banco esperando Rodolfo chegar, que me viu tão calada e sem graça que logo perguntou. Quando contei ele quis ir lá jantar na mesma hora. Mas aí eu pensei bem…O MEU DINHEIRO???aaaa não, o meu dinheiro eles não vão ver. Eu devia ter escrito uma carta. Adorei a idéia Zé Carlos!!! (desculpa o tamanho do comentário.rsrs..mas acho mesmo um absurdo esta lógica do “vc quer comprar? tem certeza? custa x” ou isto que aconteceu com vc e Bethania.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *