Com o dedo duro na aterrissagem

Olha, eu sou um cara 100% honesto, pago meus impostos e escovo os dentes antes de dormir.

Bem, exceto na sexta-feira, quando eu costumo enganar a aeromoça e deixar meu iPod ligado no avião durante o pouso e a decolagem, o que me torna um terrorista maldito que assusta menininhas.

Na última sexta-feira eu inventei de voar pela Varig. O avião que ia nos levar (um Boeing caindo aos pedaços) entrou em “manutenção não programada” e só depois de uma hora é que eu consegui embarcar (em outro Boeing caindo aos pedaços). Na hora de decolar a aeromoça me mandou desligar o iPod, e eu, como de costume, ignorei a ordem dela. Na hora do pouso, fiz a mesma coisa. Afinal, eu sou um cara 100% honesto, pagador de impostos e livre da placa bacteriana, mas se me impedirem de ouvir música eu me torno um fervoroso membro da Al Qaeda.

Bem, foi isso que o passageiro ao meu lado deve ter pensado, porque na hora que a aeromoça já ia saindo de perto de mim ele disse:

– Olha, esse cara aqui não desligou o iPod dele não! E na hora de decolar ele fingiu que desligou mas deixou ligado! É meu direito, você tem que mandar desligar…

Sim, o cara me dedurou pra aeromoça. Eu me senti com sete anos de idade novamente, na salinha do pré-primário, ouvindo o coleguinha dizer: “Olha ele, pssora! Olha ele!”. E, do topo da minha honestidade 100% imaculada e dos meus dentes alvos, eu fiquei muito puto, botei a tela brilhante do iPod bem nas fuças do cara e desliguei.

O avião foi fazendo as suas curvas para pousar e eu, apesar da raiva, fui pensando… e resolvi ser não apenas 100, mas 200% honesto. Gente-boa pra cacete mesmo. Então virei pro cara, engoli todo o orgulho ferido e…

– Desculpe se eu te assustei.

E ainda comecei a explicar o por quê da proibição dos iPods – é que numa emergência eu deveria estar em condições de ouvir orientações da aeromoça, e que meu iPod não estava ameaçando a segurança de ninguém além de mim mesmo e tal. Mas a conversa que se seguiu foi difícil de acreditar:

– É uma norma de segurança internacional – disse o babaca, com ênfase no “internacional” – Olha só, eu fumo e não estou fumando aqui, entende?
– Mas se você fumar o avião vai cair?
– Mas… mas eu posso queimar você!
– E meu iPod vai queimar você? Olha, eu tenho certeza que ele não interfere no avião, ok?

E então ele fechou a conversa com chave de ouro:

– Humpf… é por causa de gente assim que o Brasil está desse jeito…

Até pensei em dizer a ele que, sim, eu era 100% honesto, pagador de impostos e livre das cáries, mas resolvi deixar pra lá.

Aí hoje dei de cara com um link interessante de um projeto de arte envolvendo aquela posição de impacto para pouso de emergência sugerida nas cartelinhas de instruções de segurança. De acordo com o texto…

Aparentemente a única coisa que esta posição consegue fazer por você é preservar sua arcada dentária na hora da batida. Seus dentes ficam mais próximos ao número do assento, tornando mais fácil o processo de identificação dos cadáveres pelos legistas.”

Imagine só a cena… eu ligo o iPod, o shuffle escolhe uma música do Air (hehe), aí a eletrônica do avião despiroca toda, ele perde o controle e a aeromoça manda todos assumirem posição de impacto. Na queda todo mundo morre queimado. Aí os legistas vão até os restos do meu assento e dizem:

– Putz, olha a arcada dentária do cara da 18A… ele devia escovar os dentes todo dia antes de dormir.
– Incrível. Normalmente é esse tipo de gente que nunca sonega imposto.
– Pois é… uma pena, só os honestos morrem. Por isso que o Brasil está desse jeito…

3 thoughts on “Com o dedo duro na aterrissagem”

  1. Cara, to rolando de rir!!! (é sério).
    Torço para que eu nunca caia no assento “18B”… Pq, pra ficar no meio de um fogo cruzado desse.. (rsrrs) PQOP.

    Suas aventuras são hilárias!! rsrsr Queria passar por metade dessas suas estripulias!!!

    P.S: Normas INTERNACIONAIS o cara pegou pesadíssimo!!! rsrsrs

  2. essa do “brasil num vai pra frente” é a mais clássica de todas! hahahah
    e também garanto que minha arcada dentária ficaria limpa e impecável num aciedente aéreo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *