In the studio, it’s the place to be…

Eu já fiz muita coisa inusitada desde que virei consultor. Hoje eu adicionei mais uma à minha lista: gravar um programa de rádio.

É que nosso cliente atual produz um programa de rádio para divulgar seus trabalhos pelo estado, e eles queriam divulgar os resultados da nossa consultoria entrevistando um dos consultores. Obviamente, sobrou pra mim.

O programa é gravado num mini-estúdio que fica no setor de comunicação da empresa. A bizarrice começou aí: a porta do estúdio é de metal, enorme, com travas nas laterais e uma janelinha redonda no meio. É que ela devia ser a prova de som, mas com aquele visual parecia uma escotilha de submarino. E dentro dela tinha um carinha com cabelo “black power”, formando uma “aura” capilar que se estendia a uns 30cm do couro cabeludo: era o operador de gravação.

Do lado dele estavam os equipamentos do estúdio: computador, mesa de som, microfones e um toca-discos. Eu passei uns bons 30 segundos olhando para o toca-discos: aquilo era uma relíquia de começo de século, era tipo o modelo 2.0 do gramofone. A cabeça onde fica a agulha era enorme, a carcaça do aparelho era toda coberta de feltro e tinha até uma alavanquinha para selecionar entre 33, 45 e 78 rotações. Mas nem bem tive muito tempo de admirar o equipamento e entramos, eu e a jornalista da área, na cabine à prova de som.

Nessas horas eu agradeço a Deus por ter uma esposa que, além de tudo, é jornalista: durante os muitos anos de namoro eu convivi bem de perto com a vida acadêmica dela, então acabei aprendendo algumas coisas sobre mídia impressa, TV, rádio, etc. Por isso já sou meio vacinado para esse tipo de situação: ninguém avisou mas eu sabia como devia ser minha dicção, sabia como ajustar o microfone, etc. Já a jornalista que ia me entrevistar estava meio sem jeito: um dos lados do headphone dela estava virado pra fora e ela nem percebeu.

Depois de tudo pronto, o operador Black Power pronunciou o clássico “um dois três gravando” e mandamos ver. A entrevista foi curtinha, uns sete minutos, e correu sem maiores problemas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *