Mais três coisas bizarras que já ouvi no trabalho

Sim, é um “bonus track” do post das 12 coisas mais bizarras que já ouvi no trabalho. Eu lembrei dessas recentemente…

“Pois é gente, os presídios são uma loucura. Eu já vi casos de mulheres levando celular para os presos, dentro da vagina… e nem era um celular desses pequenininhos, como o meu!”
(Funcionário de um presídio mostrando que tamanho, sim, é documento)

“Sabe por que isso está assim? Porque essa empresa não tem dono!!”
(O presidente da empresa, explicando, aos berros, que o culpado de tudo é… ele mesmo?)

“Na sua idade eu até gostava [do trabalho], hoje eu só gosto de bater carimbos e de fazer palavras cruzadas pra não emburrecer muito rápido”
(Funcionária de uma empresa pública, mostrando-se altamente motivada e focada em resultados)

13 excelentes recursos online para descobrir novas bandas

Blogs sobre música

17dots – É um blog do pessoal da eMusic, minha loja de música online predileta. É atualizado com muita frequência e comenta a maioria dos lançamentos do site. O blog é “não oficial”, então nada impede que os editores desçam o pau nas bandas ruins ou ignorem os lançamentos pouco importantes, portanto pode ir com fé que as opiniões são imparciais.

Lúcio Ribeiro – Tem gente que detesta o cara, tem gente que idolatra o cara. Eu não dou a mínima pra essas rixas, mas presto bastante atenção nas bandas que ele menciona, pois ele usualmente está à frente de tudo que é hype. Uns são horríveis (vide Cansei de Ser Sexy), mas muitos são bem interessantes.

London Burning – Primeiramente tenho que citar que eu detesto o editor do site, o Luciano Viana. Ele é um babaca metido a fodão. Pra provar que não é implicância minha, acesse o site e veja a frase que ele deixa lá em cima, no topo do cabeçalho do site.

Egos inflados à parte, nada impede que eu faça uma visitinha ao seu site de vez em quando (hehehe). Principalmente na virada do ano, época das famigeradas listas de “Top 100”.

Fail – É de um paquistanês doido. Todos os lançamentos que ele comenta são eletrônicos experimentais obscuríssimos, ou seja, uma delícia.

Networking Social Musical

Last.fm – É a maior meca musical da Internet. Acho até que todo mundo deveria, diariamente, rezar ajoelhado e virado para Londres, onde o site fica hospedado.

Para recomendações esporádicas, vale usar a rádio streaming do site. Você digita um artista de sua preferência e o Last.fm monta um playlist baseado em artistas/bandas semelhantes. Mas o lado “social” do site é o mais legal: usando um plugin que manda todas as músicas que você ouve no computador (ou no seu iPod) pro site, ele casa seu gosto musical com o de outras pessoas e gera as recomendações musicais mais personalizadas que já vi.

eMusic – Sim, além do blog que mencionei ali em cima, o próprio site da eMusic é um achado. Mesmo que você vá “adquirir” seus MP3 por meios cuja legalidade é questionável, a visita vale o boi só pra ouvir umas amostras das músicas, dar uma sacada nos “similar artists” das bandas que você curte, etc.

Como se não bastasse, o eMusic tem também “dozens” – listas de 12 discos criadas em volta de um tema. Dá pra perder horas achando coisas legais nestas listas. Tem dozens sobre gêneros musicais (como a de microhouse/minimal techno ou a de pós punk inglês), tem dozens criadas por artistas (como a de Sam Prekop, do The Sea and Cake)…

Orkut – Antes de torcer o nariz (“Aargh! Orkut não!!”), faça uma visita nas comunidades das bandas que você gosta. Quando o bate-papo nelas é bom, rola de descobrir coisas boas e similares. Um exemplo: Foi na comunidade do Godspeed You! Black Emperor, num tópico sobre projetos paralelos da banda, que descobri Explosions In The Sky, Set Fire to Flames e A Silver Mt. Zion.

Podcasts

XLR8R – O melhor podcast do meu iTunes. É bem alternativão e às vezes puxa muito pro lado do hip-hop/rap, mas frequentemente revela algumas pérolas: foi por ele que descobri Daedelus e J Dilla, por exemplo. E as músicas do podcast da semana ficam disponíveis pra download, de grátis, no site.

Banana Mecânica – Esse é brazuca. Muito bom para saber o que anda rolando fora do mainstream brasileiro, embora o podcast também inclua umas bandas gringas de quando em vez.

Outros

Musicovery – É uma rádio streaming que tem uma bela interface e um jeito muito criativo de dar sugestões musicais. Você escolhe os gêneros musicais que prefere e, usando um gráfico cartesiano (é sério!) marca se quer músicas mais calmas, energéticas, tristes ou alegres. Dá pra escolher também se você quer velharias ou coisas mais novas, hits ou não hits. A qualidade do áudio para a versão free do site é bem chinfrim, mas se o que interessa é descobrir bandas, ele dá pro gasto.

YouTube – Vale praqueles momentos onde você só quer saber como diabos é o som daquela banda que você vive ouvindo falar mas nunca se dispôs a baixar um disco e conferir. O “VocêTubo” normalmente tem um clipe ou um pedaço de show ao vivo do artista/banda que você procura.

Sites das gravadoras – Este é um estágio mais grave de vício musical: depois de descobrir de quais bandas você mais gosta, chega o ponto onde você descobre quais as gravadoras que tem mais bandas que você gosta. Eu, por exemplo, que adoro Tortoise, nunca me decepcionei ao experimentar outros artistas da mesma gravadora (a Thrill Jockey). Meus melhores eletrônicos estão em gravadoras que lembro de cabeça: Warp, Tigerbeat… Já Luiz, meu primo, é fã das bandas da Matador

Não negligencie a gravadora das suas bandas, especialmente se ela for mais alternativa/obscura/independente. Às vezes eles tem preciosidades escondidas…

Outras listas com recursos online para descobrir músicas que são muito melhores que os meus – Não gostou das minhas sugestões? Ora, vá pra… esta lista do Mashable com 90 itens (!!) e seja feliz.

Ah, e me conte nos comentários o que você faz pra achar bandas novas.

Love (in the DJ booth)

Tá muito legal acompanhar os comentários do meu post sobre o dia que fui ao Hard Rock Café.

Colocaram um link para meu post na comunidade do DJ Rhommel, por causa dos elogios que fiz. Agora os comentários vindos de lá estão abundantes. O último que chegou é o mais legal, é da esposa do DJ…

Bom, tenho muitas coisas pra falar desse magnifico DJ… Além de ser um puta de um profissional, animando a galera por onde passa e principalmente tocando maravilhosamente bem, é um ótimo companheiro para todas as horas e acima de tudo um ótimo amigo….
Amor, sempre estarei ao seu lado, te apoiando nas suas decisões e principalmente, estarei ao seu lado sempre que precisar… É isso ai… torço muito pelo seu crescimento profissional e sei que daqui a pouco tempo vc será o melhor DJ que todo o planeta já viu e ouviu…
TE AMO!

Caixa do BB, além de dinheiro, também dá spam

Agora há pouco fui ali tirar um dinheiro num caixa eletrônico do Banco do Brasil e tive uma surpresa: agora a máquina imprime um spam pra você!

O pior é que a máquina não deixa fazer NADA antes de imprimir o spam, então você é obrigado a esperar pela impressão. É isso mesmo, para conseguir que a máquina faça o que você quer, você tem que esperar ela fazer o que você não quer. Super sensato isso.

O mais legal é que eu jamais vou usar o serviço anunciado no spam, já que eu nem li porque estava irritado com tudo aquilo. Então, numa tacada só, o Banco do Brasil desperdiçou meu tempo, gastou papel, me deixou insatisfeito com o serviço, não gerou nenhuma receita e ainda provocou um post na internet denegrindo o Banco. Fantástico!

A melhor justificativa de todos os tempos

Eu sei que não devia postar isto, mas eu preciso.

O texto abaixo é um email de um funcionário aqui do cliente, tentanto justificar por que não entregou seu planejamento no prazo:

“Venho fazer algumas considerações do processo de trabalho, a considerar: respeitando o espaço e tempo de nossos clientes, o planejamento das ações/etapas deve ser construído utilizando-se de técnicas participativas para envolver e comprometer os atores principais na construção de uma história própria. Conhecemos a realidade local, seus problemas e potencialidades, mas na execução das atividades devemos respeitar o conhecimento, aqui digo; o tempo e espaço do cliente. O trabalhador desta empresa é um agente incentivador, respeitador das culturas e tradições, capaz de mobilizar seres humanos para a reconstrução de uma história. O ideal podemos ter em mente, que são os projetos, mas antes existem os sonhos dos atores responsáveis por sua história. Devemos conhecê-los, discuti-los, para então transformamos em projetos e estes, em realidade. São algumas considerações que achei pertinente expor, pois encontrei dificuldades para elaborar o planejamento devido algumas ações que serão desdobradas após as reuniões de planejamento participativo. Aguardo sua avaliação para, se necessário, fazer as devidas correções”