Coisas do fim de semana

A minha rotina de final da sexta-feira usualmente inclui aeroportos, táxis e, ao chegar em casa, ser recebido por um cachorro alucinado pulando na minha perna.

Só que desta vez eram dois cachorros…

20080519

O outro é Banzé, autêntico vira-lata, pertencente à uma amiga de Bethania, que estava “hospedado” lá em casa enquanto ela viajava. A estadia foi relativamente tranquila e me fez aprender duas coisas sobre cachorros:

  • Cães sentem ciúme. Muito ciúme. Pavlov quase morria de ódio quando eu brincava com Banzé.
  • Cães machos começam a “marcar território” desenfreadamente quando colocados no mesmo ambiente. Isso eu descobri ao ver uma mancha amarelada enorme no edredom que cobria a minha cama.

Aí, quase meia-noite, e lá fui eu fui ao supermercado comprar outro edredom para poder sobreviver à esse frio paulistano. Passando pelo estacionamento, vejo três caras em volta de um carro, portas abertas, som ligado. Um deles se levanta e, completamente de repente, começa a fazer a dancinha do Soulja Boy. Foi épico!

Ainda no ramo das dancinhas: sábado fomos levar os caninos no Ibirapuera e vi uma rodinha de adolescentes com trance “bate-estaca” tocando na maior altura e todo mundo dançando uma mistura psicodélica de Soulja Boy + “moonwalk” do Michael Jackson + Dance Dance Revolution. Perguntei um dos moleques e ele me disse que aquilo era um tal “Hardstyle”.

Pelo que a Wikipedia me disse, existe toda uma cena dessas dancinhas “Hard-qualquer coisa” (esse vídeo mostra algumas variantes). A origem parece ser um tal “Melbourne Shuffle”, que nasceu nos anos 80/90 e ganhou um impulso todo novo por conta do YouTube.

Anoiteceu, e a noite paulistana é famosa no Brasil inteiro pela sua diversidade: tem de tudo, pra todos os gostos, o tempo todo. Fato comprovado, já que no sábado à noite eu e Bethania fomos parar em… um evento beneficente do 1o Grupo Escoteiro São Paulo. Mas foi ótimo, tinha pizza à vontade e aprendemos com os escoteiros que dá pra cozinhar um ovo no espeto. Sim, nós também duvidamos. Sim, nós também fomos procurar vídeos disso no YouTube.

O domingo foi um dia preguiçoso, composto basicamente pelo edredom novo, eu, Bethania e o Discovery Channel. No final do dia fomos ao cinema pra ver “Quebrando a banca”, baseado em livro homônimo (que, me disseram, é melhor que o filme) sobre moleques superdotados que vão à Las Vegas, contam cartas de blackjack e… bem, quebram a banca. Uma das cenas não me saiu da cabeça e não consegui dormir enquanto não entendi o assunto: era uma onde professor e aluno discutiam o chamado “Problema de Monty Hall”, cujo enunciado é mais ou menos o seguinte:

Suponha que você está num programa de auditório e tem 3 portas para escolher. Em uma delas tem um carro; nas outras duas, cabras. Você escolhe uma porta – a número 1, por exemplo – e o apresentador, que sabe o que há atrás das portas, abre outra porta – a número 3, por exemplo – aonde há uma cabra. Daí ele lhe dá uma chance de trocar sua escolha para a porta número 2. É mais vantajoso trocar sua escolha de porta?

A resposta correta é totalmente contra-intuitiva: trocar de porta faz com que suas chances de ganhar aumentem para 66,6%. Eu levei um tempão para entender esta resposta, já que pra mim (e para 10.000 leitores de uma revista americana onde este problema foi publicado) as chances de ganhar trocando ou não de porta eram de 50%. É um bom quebra-cuca.

5 thoughts on “Coisas do fim de semana”

  1. Na verdade, estatisticamente, a probabilidade continua sendo 50%.

    Sobe para 66%, pelo contexto do “jogo” de TV, onde o apresentador não abriria uma porta com o prêmio (acabando com a graça antes).

  2. Opa, primeiro, a dança é muito divertida, mas deve comer um tênis sem precedente no mercado musical. De facto deve ser um ritmo patrocinado…

    Agora essa história dos 66 ou 50% gerou uma discussão incrível uma vez em um grupo que faço parte. o resultado da nossa discussão:

    a chance de estar na porta 1 é de 33,33%
    a chance de NÂO estar na porta 1 é de 66,67%

    a chance de estar na porta 2é de 33,33%
    a chance de NÂO estar na porta 2 é de 66,67%

    a chance de estar na porta 3é de 33,33%
    a chance de NÂO estar na porta 3é de 66,67%

    mas a chance de você acertar é de 50% (sobram 2 portas)
    e a chance de você errar é de 50% (sobram 2 portas)

    A solucao da página acha a chance de estar em uma das portas e não a chance de você acertar, o que é bem diferente. É nisto que você está errando. Se você não entendeu agora eu desisto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *