Murphy aprendeu a dar combos

Ontem, 18:35, fim do expediente. Meu nariz começa a escorrer e eu concluo que estou prestes a gripar, enquanto a temperatura do planalto central cai vertiginosamente. Tudo que eu queria era voltar pro hotel…

…mas não tinha nenhum táxi no ponto.

O táxi só apareceu uns 20 minutos depois. Aí ele se enfiou nos engarrafamentos, chegou até a rodoviária (metade do caminho) e parou no sinal que dá acesso ao Eixo Monumental, movimentadíssimo àquela hora.

E aí Murphy entra no ringue: Round one, FIGHT!

O sinal abre e NINGUÉM anda. Alguns carros buzinam, só que a fila continua parada, parada… até que o sinal volta a fechar.

20080515_2
FIRST ATTACK!

Vários minutos depois o sinal abre novamente. 2-hit combo: NENHUM carro se mexe. O taxista desce pra dar uma olhada e avisa que tem um guarda fechando o trânsito. “Maldito, deve estar escoando o tráfego pesado do Eixo”, pensei.

20080515_3 Daí o sinal abre de novo, nenhum carro anda, e o Eixo, de repente, esvazia. “Agora vai!”, pensei. Mas ninguém se mexia. 3-hit combo!

Depois de mais duas rodadas do sinal abrindo e fechando, apelei e desci do táxi. Só então, a pé, percebi que quem estava parando o tráfego era um daqueles motoqueiros de escolta presidencial.

“Tá me zoando que esses filhos da puta fecharam a avenida toda só pro Lula passar”, pensei. No mesmo instante os carros pretos da Presidência da República passaram, zunindo, e na sequência o guarda liberou o trânsito.

Meu “ex-táxi” passou por mim enquanto uma voz gritava no subconsciente:

20080515
M-m-m-multiple hit combo!

Furioso, comecei a andar em direção ao hotel. Só que Brasília não é uma cidade feita para pedestres: depois de andar por uns cinco minutos eu percebi que fui parar num lugar de onde não tinha como atravessar para lugar nenhum: o passeio acabava e não havia sinal ou faixa de pedestre, o que me obrigou a voltar exatamente para o lugar de onde desci do táxi. Tech hit!

E assim, depois de uma loooooooonga caminhada (de terno e mochila nas costas, vale lembrar), cansado e suado, dei um longo suspiro quando, finalmente, me vi diante da porta do quarto do hotel. Era o fim do meu calvário. Aí coloquei o cartão na maçaneta e… a porta não abriu. Tentei uma, duas, dez vezes mas não tinha jeito: o cartão-chave havia desmagnetizado.

20080515_4
MURPHY WINS…FATALITY!

10 thoughts on “Murphy aprendeu a dar combos”

  1. Oh, boy… posso rir?? Nem adianta dizer que não, porque já estou gargalhando! Mas olha, Brasília não tem nada a ver com o cartão desmagnetizar. 😛

    Sim, eventualmente o trânsito pára pro barbudo passar. Não é freqüente, mas é comum. Nesta altura do Eixo é raro (Murphy em ação).

    E pontos de táxi não são confiáveis… o melhor jeito (basicamente, o único) de pegar táxi em Brasília é ligando para uma central. Chegam em menos de 10 minutos. Gosto da 3321-3030. Lembre de pedir o desconto de 30% ao fim da corrida!

  2. Nunca fui a Brasilia, mas só o nome das ruas já assustam.

    E por não vivermos na mesma cidade do famigerado presente, acho que acabamos esquecendo que estas coisas devem ser absolutamente normais por lá, não? Surpreso até do taxista não saber nada.

    “o passeio acabava e não havia sinal ou faixa de pedestre, o que me obrigou a voltar exatamente para o lugar de onde desci do táxi”

    Sério. Até eu fiquei super irritado de ler isso, hehe.

  3. Bem-vindo ao meu mundo… Murphy é meu melhor amigo e está sempre ao meu lado.

    Dica: como você está sozinho no quarto, SEMPRE que chegar ao hotel faça outra chave.

  4. Valeu pela dica do tele-táxi, Lu. Eu já até conhecia o número, no dia até liguei pra lá e me deram uma previsão de chegada do taxista de 30 pra 40 minutos. Mas acabou aparecendo um táxi na rua antes…

  5. Nem vem, Lu. Sempre que você liga pra central eles falam 10 minutos, mas nunca chegam com menos de 15…

    E isso vale pra qualquer central de taxi de BSB……

  6. Cara, comigo esse número só deu problema uma vez – e eu estava atrasada pra tomar o avião, então fiquei BEM desesperada. Mas foi só uma vez em 10 anos…

    Ah, esqueci de dizer: a seca já chegou – clima desértico à vista. Tenham SEMPRE um casaco por perto. 😛

  7. Depois que eu passei quarenta minutos esperando táxi em Florianópolis, acho os taxis de Brasília uma maravilha.

    Em Floripa, sobra passageiro e falta táxi. Em Brasília, falta passageiro e sobra táxi. A disputa por corrida é acirrada entre as centrais.. É só chamar por telefone, como a Lu Monte sugeriu. Pagando, eles te levam até a Lua.

  8. Sobre o táxi em Brasília tive vários problemas com a central 3321-3030. Resolvi mudar para 3323-3030. Apesar de só mudar o 1 para o 3, os carros são melhores e mais novos e o táxi chega mais rápido. O desconto de 30 % é dado pelo motorista sem a necessidade de ter que pedir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *