O Primo não recomenda – Era uma vez…

Antes de ver o filme eu só sabia de duas coisas:

  • “Era uma vez” era o “filme dos sonhos” de seu diretor (Breno Silveira, o mesmo de Dois Filhos de Francisco). Sabe aquele filme que o cara sempre quis filmar? Pois é.
  • O filme era sobre uma menina rica e um cara da favela que se apaixonam. E a história era ambientada no Rio de Janeiro.

Era Uma Vez 

Filmes sobre “amores difíceis”, por si só, já são manjados. Este é um terreno difícil pra qualquer diretor, e os que se dão bem são os que conseguem dar uma roupagem diferente ao assunto – como em Dolls ou Amores Brutos ou Closer (de longe o melhor filme de amor que já vi). Mas eu estava esperançoso, afinal o diretor já tinha conseguido me fazer gostar de um filme sobre Zezé di Camargo e Luciano 🙂

A esperança não durou muito além dos primeiros instantes do filme, que abre com a voz do personagem principal dizendo:

– Da minha casa eu tenho a vista mais linda do Rio…

E aí vem a imagem da favela do Cantagalo. “Não, Breno, não vai por aí não!”, pensei eu.

Mas dali em diante ficou parecendo que o diretor pegou uma lista enorme de “clichês para filmes de amor” e se empenhou em cumprí-la INTEIRINHA. Foi como disse a crítica de Ronaldo Pelli, no G1:

Após o início movimentado, (o filme) diminui o ritmo, quase estacionando. Na segunda metade, pouco ou quase nada acontece. O roteiro apresenta uma “barriga” imensa e tem diálogos bobos, além de se encaminhar para uma conclusão óbvia.

O pior é que o filme tem elementos simplesmente excelentes, como a fotografia (muito, MUITO boa) e a atuação dos dois protagonistas (muito, MUITO carismáticos, mas capados pelo roteiro a partir da segunda metade do longa). Mas mesmo sem os clichês e personagens capados, nada, absolutamente NADA seguraria o final do filme, que era não apenas óbvio como também ridículo – tanto que arrancou risadas de muita gente durante a sessão de cinema onde assisti o filme.

É por isto que o título deste post está “des-recomendando” o filme. E foi com muita surpresa que, lendo alguns blogs e conversando com algumas pessoas, percebi que muita gente adorou o filme, o final do filme e a mensagem clichezenta que ele passa. Sei lá, parece que o público brasileiro está acostumado com isso: emoções “de novela”, roteiros conhecidos, estradas já trilhadas. Já até comentei meu incômodo com isto aqui no blog.

Bem, como tudo na vida, é questão de gosto…

3 thoughts on “O Primo não recomenda – Era uma vez…”

  1. eu ainda nao vi esse filme.. mas qnd vi do q se tratava, confesso que não me animei.
    como vc mesmo disse.. clichê de mais.. e eu nem vejo novela.
    Kisses

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *