A cena mais barra-pesada de Grand Theft Auto IV

Nas últimas semanas eu recomecei a jogar o GTA IV porque meu savegame com quase 100% do jogo concluído se corrompeu (é uma longa história – e outro caso onde eu faço um backup de alguma coisa e ele não funciona).

Nessa “rejogada” eu acabei revisitando várias cenas truculentas do GTA. E no meio de todos os tiros, explosões e gente atropelada, acabei revendo uma cena que é aparentemente inocente mas que foi especialmente chocante pra mim.

É assim: quando você rouba um carro de polícia, dá pra usar o computador da viatura para ver uma lista com a localização de criminosos procurados… para que você possa caçá-los no melhor estilo “mercenário justiceiro”. Essas mini-missões são bem divertidas e normalmente envolvem perseguições em alta velocidade e tiroteios entre você e a gangue do meliante… exceto quando você seleciona um cara chamado Jimmy Kand.

O computador indica que Jimmy está num conjunto habitacional em Northwood e você já pensa: “legal, tiroteio em local fechado, vou ter que chutar porta e sair fuzilando geral!”. Mas quando você chega no local e entra no prédio não há gangue nenhuma: apenas um apartamento em ruínas, com paredes manchadas, entulho, lâmpadas amareladas e gente semi-inconsciente estirada no chão.

image

Justamente enquanto você está estranhando a falta de resistência armada da missão, ouve a voz de um dos moradores do local lhe oferecendo heroína. E então tudo faz sentido: aquilo ali é um daqueles locais aonde viciados vão parar quando suas vidas foram para o buraco. O silêncio e a feiúra do lugar são angustiantes – mas você não abaixa a guarda, afinal Jimmy Kand deve ser algum traficante fortemente armado. E então você segue, checando cada canto do apartamento com sua arma em punho – mas só encontra viciados caídos, magros, sujos e viajando de heroína.

O pontinho vermelho do seu radar indica que Jimmy está bem ali, no quarto dos fundos, e então você recarrega seu fuzil e entra pronto para a troca de tiros. Mas encontra apenas um homem caído no chão, encolhido em uma poça de vômito, ao lado de um colchão sujo. A setinha vermelha sobre o corpo não deixa dúvidas: aquele é Jimmy Kand.

image

Esse, para mim, é o momento mais chocante do jogo. Mesmo porque você tá indo num ritmo de filme de ação e trocando tiro e fazendo justiça e se divertindo e, de repente, é confrontado com uma representação extremamente realista do fim da linha das drogas, um dos jeitos mais indignos de uma existência humana terminar.

E, pra piorar, você está ali para matar Jimmy. No caso dos outros criminosos você ainda completa a missão com um sentimento de realização do tipo “estou limpando a cidade” ou “fui mais habilidoso, escapei dos tiros”, mas Jimmy não representa ameaça para ninguém a não ser a si mesmo. Nas duas vezes que completei essa missão eu fiquei olhando Jimmy por longos minutos até ter coragem de puxar o gatilho e terminar sua existência miserável.

Talvez o GTA IV, com essa cena, tenha feito mais efeito do que muita campanha anti-droga por aí.

P.s.: No YouTube tem um vídeo da missão onde dá pra ver melhor o local.

8 thoughts on “A cena mais barra-pesada de Grand Theft Auto IV”

  1. isso me lembra uma questão sempre debatida no metal:

    is it br00tal? y/n

    vou lembrar desse episódio para ilustrar essas eternas discussões e qualificar bandas. ótimo exemplo.

  2. Isso chama-se DREAMHOST DE MERDA. Mas quando eu me recuperar da maratona de migração do Blablabra eu migro o blog tbm.

  3. Segui o link. Os comentários sobre esta parte do jogo no vídeo do youtube sao totalmente dispensáveis….

    Inside Information de Beagá pra voce: acabou de terminar o jogo do cruzeiro e os carros na rua estao todos buzinando como loucos, apesar de ser meia-noite de uma quarta feira. Normal.

  4. Stela, curiosamente, aqui em SP eu ouço bem menos buzinaço em dia de jogo. Exceto quando o CURINTHIA ganha algum campeonato 🙂

  5. É… Mais triste é qdo a gente cumpre busca e apreensao em locais assim…
    Vc nunca seria policia, Zé… eheheh
    abs!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *