A saga de comprar uma casa no Canadá

Em 2017, com empregos fixos e a imigração concluída, eu e Bethania começamos a planejar o nosso novo grande passo canadense – sair do aluguel e conquistar o sonho da casa própria.

Seis anos atrás, quando comprei meu apê em São Paulo, eu comentei do desespero que foi ir juntando o dinheiro pra dar de entrada enquanto eu via os preços crescendo de forma galopante. Tudo que eu não queria era ter que passar de novo pelo mesmo stress – ou seja, foi exatamente o que aconteceu. Até os números foram iguais: os preços na grande Toronto duplicaram nos últimos 3 anos e seguiram batendo recorde atrás de recorde todo mês. Isso puxou os aluguéis, que também começaram a subir, e meu contrato de aluguel tava lá prestes a vencer no fim do ano.

Além disso, tinha também o dilema do que comprar. Em SP a escolha era entre um apartamento pequeno ou um apartamento minúsculo – casas nem entravam na lista por causa do custo/risco/distância. Aqui, felizmente, tínhamos mais escolha:

  • Apê pequeno, colado no metrô, bem próximo da muvuca do centro, meia horinha e você tá no trabalho;
  • Apê grande, mas dependendo de ônibus + metrô, relativamente próximo do centro, uma hora ou mais pra ir/voltar do trabalho.
  • Uma casa, pequena ou grande, mas que se encaixasse no orçamento.

O problema é que, em fevereiro, o preço médio de uma casa em Toronto bateu um milhão de dólares. Assim sendo, quando a gente ia ver uma casa era sempre assim:

  • O anúncio dizia assim: “renovator’s paradise!” (paraíso do construtor), então a gente sabia que a casa tava caindo aos pedaços.
  • Às vezes a casa nem tava tão caindo aos pedaços, mas era uma stacked townhouse – uma casa geminada dos dois lados e também por cima ou por baixo. Praticamente um apartamento na horizontal.
  • Quando era apenas uma townhouse (geminada só dos lados), ela era colada numa rodovia barulhenta, ou do lado do trilho do trem, ou longe de todo tipo de transporte público, ou num lugar muito velho/bizarro. Não me esqueço de uma que vi, era até bem perto do metrô, mas a casa devia ter uns 50 anos de idade e ficava numa vila que era idêntica à vila do Chaves…
  • Quando a gente finalmente via uma casa legal ela estava 150 mil dólares acima do nosso orçamento – e normalmente era vendida no dia seguinte.

Os apartamentos todos também estavam bem frustrantes, e depois de ver inúmeros deles e não gostar de nenhum começamos a colocar na mesa uma opção nova: e se fôssemos morar… no subúrbio?

O subúrbio aqui não tem a conotação de periferia. Trata-se daquele subúrbio de filme: são as cidades ao redor de Toronto, sempre pequenas, quase sem prédios, com aquele monte de casas todas iguais, onde só moram famílias com filhos, e os pais passam o final de semana fazendo jardinagem, cortando grama ou serrando madeira na garagem. São lugares tão prosaicos que tem um monte de minisséries sobre como morar no subúrbio é tedioso. No trabalho um monte de gente mora nesses lugares – eles são facilmente identificáveis, porque chegam mais cedo pra trabalhar e são os primeiros a ir embora, normalmente correndo porque “tem que pegar o trem” pra voltar pra casa.

Separamos um dia pra ver uma casa em Ajax, uma das cidades ao leste de Toronto, só pra ter uma ideia de como era. Fomos logo depois do trabalho, na tarde de um belo dia de primavera. Enquanto o corretor não chegava, resolvemos dar uma volta pelo bairro e chegamos a um parque, na beira do lago, com a melhor cenografia suburbana que já vi: crianças correndo pela grama, passeando de bicicleta, mães com seus carrinhos de bebê jogando conversa fora com os vizinhos, enquanto o sol se punha sobre as águas do Lago Ontário. Mas o que mais me marcou foi o enorme silêncio – não tinha buzina, não tinha sirene, não tinha caminhão, tinha apenas o gralhar ocasional de uma gaivota e as risadas das crianças.

Aí fomos ver a casa e aí já era: tinha tanto espaço que a antiga dona tinha um piano de (meia) cauda na sala. Tinha um jardim nos fundos, com plantinhas e espaço pra churrasqueira. No andar de cima tinha quartos grandes, tinha vários banheiros… e todo o enorme espaço do primeiro andar ainda aparecia em dobro, no porão. Ainda não tínhamos a papelada toda do financiamento pra comprar, mas a boa notícia é que, na mesma região, havia muito mais opções boas pra ver dentro do que podíamos pagar.

O subúrbio só não nos ganhou naquela hora logo de cara porque eu ainda tinha uma grande dúvida: será que compensa morar num casão, num bairro sossegado, mas gastar horas pra ir trabalhar todo dia? Pra descobrir, peguei um mapa das linhas dos trens suburbanos e marquei os lugares aonde eu poderia morar mas ainda assim levar menos de uma hora pra chegar na estação central. Esse virou meu novo mapa de procurar imóveis:

Pra completar o teste, marcamos de ver umas casas logo depois do trabalho, pra experimentar na pele como é isso de voltar de trem todo dia. Na linha que corre para leste de Toronto tem muita opção de trem na hora do rush, e os trens expressos ainda economizam uns 10 minutos de viagem. Se a opção suburbana já estava atraente, a nossa primeira viagem de trem fechou a fatura:

  • Não é aquela suvaqueira de metrô: o trem é enorme, então todo mundo vai sentadinho 99% das vezes.
  • O andar de cima dos vagões é a quiet zone, onde, na hora do rush, é proibido conversar ou falar ao telefone. Perfeito pra um cochilo, pra atualizar a leitura ou apenas para gente antisocial como eu.
  • A internet do celular funciona o tempo todo, pois o trem corre na superfície.
  • A viagem é razoavelmente rápida: em 37 minutos estávamos a 35 quilômetros do centro. De carro é impossível percorrer essa distância em menos de uma hora. E muitos dos nossos amigos que moram em Toronto gastam o mesmo tempo ou mais pegando o metrô.
  • Tem um trecho onde o trem corre bem do lado do lago. Com o sol nascendo sobre ele de manhã, a vista é de chorar.
Foto (c) Paul Bloxham

Com o foco no subúrbio e as várias opções disponíveis, não demorou muito pra gente achar uma casa que valesse a pena. A escolhida foi uma de dois andares, com só dez anos de vida, ajeitadinha, geminada mas com um grande atrativo: era uma freehold townhome. Na maioria dos casos as casas geminadas são parte de um condomínio, e você é dono apenas do uso do espaço que sua casa ocupa. Nas freehold townhomes, apesar de dividir paredes com vizinhos, a casa – e seu terreno – são 100% seus e você pode fazer o que bem entender com eles.

Mas se você esteve prestando atenção neste post, vai se lembrar de que os preços de imóveis em Toronto e região estavam galopantes, certo? Pois então: decididos a fazer uma oferta na bendita da casa, acabamos inadvertidamente caindo na chamada bidding war: aquela situação onde várias pessoas fazem ofertas em uma casa e o corretor dá um monte de informações confusas/obscuras de forma a forçar os compradores a aumentarem suas ofertas meio que às cegas. É extremamente bizarro, mas é dentro da lei.

Isso foi, de longe, o dia mais estressante do ano. Aquele corretor gente boa, que estava sempre disponível para marcar visitas nas casas, que respondia emails no domingo às 10 da noite, de repente começa a te falar o contrário do que ele vinha te falando há meses e te estimulando a comprar a casa – porque, afinal, ele é comissionado, e quanto mais vendas ele fechar, melhor. O gênio aqui só foi entender isso no dia da negociação. Foi uma situação tão bosta que quando ele ligou pra gente dizendo que nossa oferta tinha sido aceita, nem deu pra ficar feliz.

Mas, tirando o stress, olha só o que tinha acontecido: dois imigrantes brasileiros, pouco mais de dois anos depois de deixar o país, se tornaram donos de um pedaço de terra no Canadá. No meu caso, essa ficha só caiu meses depois; já tínhamos nos mudado e, um belo dia, Bethania estava plantando roseiras no jardim e eu olhei pra ela da janela da cozinha e me toquei que ela estava plantando rosas em solo canadense – o nosso pedacinho de solo canadense.

É pequeno, mas é do tamanho do mundo pra mim.

Como vocês podem ver, ainda não sabemos cortar grama direito.