Bang on the putty pad all day

Nas minhas muitas aulas de bateria (leia-se: Google + YouTube) uma lição ficou bem evidente: estudar rudimentos. Sem parar. Mas como diabos poderia eu praticar quando se trabalha a mais de 1000 km de seu instrumento?

Felizmente você não precisa da bateria inteira pra estudar: basta um practice pad, ou “praticável”, ou “trequinho redondo que te dá o feeling de um tambor mas que não faz som”. Então no último sábado saí para procurar algo que eu pudesse usar e que não ocupasse muito espaço na mala. E tive uma grata surpresa.

Meu amigo, minha amiga, apresento-lhes o Remo Putty Pad.

image

“Pô, mas é muito pequenininho esse tambor, não?”. Calma, vai vendo…

image image

image

O Putty Pad é uma massa plástica, semi-rígida. Você tira do potinho, “desenrola” na mesa como se fosse massa de pão e, quando toca em cima, as baquetas repicam exatamente como num tambor.

Isso é a tecnologia a serviço da AWESOMENESS MUSICAL.

Alesis DM6 Electronic Drum Set… SUA LINDA.

Eu comentei bem rapidamente no post da viagem de férias pra NY que acabei trazendo uma bateria eletrônica na mala. Na época achei que foi uma compra não planejada, mas hoje vi que me enganei.

Não foi uma compra por impulso. Foi amor à primeira vista.

 image

Já tive “casos” com vários instrumentos musicais ao longo da vida: quando adolescente, tímido e socialmente inadequado, me eduquei em teoria musical tocando um tecladinho Yamaha (quase um casiotone for the painfully alone). Depois, achando que era preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, tive uma breve incursão pelas (gasp!) rodinhas de violão. Mas meu conhecimento musical em tais instrumentos nunca passou do nível “engana bem”.

Bastaram apenas alguns segundos em frente à bateria e eu tive certeza que ali estava minha alma-gêmea.

image

Meu primeiro contato com a bateria foi também meu segundo contato com uma bateria de verdade – a última (e única) vez em que havia tocado uma delas foi há mais de uma década, em Sete Lagoas, interior de Minas, quando o Postal Oitenta (extinta banda de uns amigos) ia fazer um show e a bateria que as bandas da noite usariam ficou algumas horas montada no palco – e eu, intrometido, fui lá brincar um pouco. Não me lembro quanto tempo toquei, mas de uma coisa eu não esqueço: do tanto que me dei bem com o instrumento.

Mas na época acabei cismando que ter uma bateria era um luxo inalcançável – basicamente porque é um troço muito grande, caro e que eu só poderia ter se não morasse em apartamento, por causa do barulho. O tempo, os milagres da microeletrônica e o casamento com uma esposa bastante compreensiva foram reacendendo a vontade.

O que mais me fascina na bateria é que eu me sento no banquinho, pego nas baquetas e é tudo natural, é como se eu tivesse apenas que ensinar aos meus músculos o que o cérebro já quer fazer – possivelmente porque passou centenas de milhares de horas com os ouvidos enfiados em fones ouvindo absolutamente tudo que é tipo de ritmo maluco que existe no mundo. Passei anos ouvindo “aulas” de gênios da bateria (como John McIntyre do Tortoise), aprendi sobre ritmos fisicamente impossíveis com os mais “esquizofrênicos” da música eletrônica (Squarepusher, Aphex Twin)… e, como contra-exemplo, estudei também a ausência de ritmo e a dilatação temporal que a acompanha, ao ouvir os grandes nomes da ambient music. Ou seja, tenho bastante “embasamento teórico”.

O modelo de bateria que comprei permite conectar um MP3 player nela e tocar junto com as músicas. Vocês não tem ideia do quanto isso é divertido: se não fosse a fome, sono ou cansaço eu poderia passar DIAS nessas “jam sessions particulares”. Este exercício tem também outro efeito colateral: os bons bateristas que você já ouviu tornam-se ainda melhores quando você tenta tocar o que eles tocam. “Não é possível, esse cara tem uns quatro braços. Ou uns dois cérebros”, você fica pensando.

Tem pouco mais de um mês que eu trouxe a bateria, e só tenho chance de usá-la aos fins-de-semana, e ainda assim por algumas horas, então tou longe de tocar algo que preste. Mas já dá pra brincar de avacalhar músicas dos amigos e pagar mico no YouTube… 🙂

Como se lia as horas nos anos 80

Minha última compra no DealExtreme incluiu:

Sim, um relógio, daqueles com display retrô estilo “letreiro de aeroporto das antigas”.

Relógio "Flip-digit" 

Confesso que não esperava que a sala da minha casa fosse ser decorada por quinquilharias importadas de Hong Kong, mas o relógio é realmente legal.

HTC S621 – Primeiras impressões

Na semana passada eu comprei celulares novos pra mim e pra minha esposa, por ocasião do nosso glorioso aniversário de dois anos de casamento.

O timing não podia ser pior, considerando que o iPhone 3G está chegando ao Brasil no próximo mês. Mas em Dead Cow City não tem 3G e eu estou preso a este projeto até o ano que vem, então resolvi me permitir este pequeno regalo.

O escolhido foi um smartphone, o HTC S621.

20080819
(Foto by Gabofr)

Ele tem teclado QWERTY, Wi-Fi, Bluetooth, câmera de 1.3 megapixels, slot para cartão MicroSD e roda Windows Mobile. Estou muito satisfeito com o aparelho… e muito insatisfeito com o Windows Mobile. Pra você ter uma idéia:

  • Transferir meus contatos do telefone antigo para o novo foi um tormento: tive que instalar, a contragosto, um Outlook no notebook para poder sincronizar os contatos do celular, depois o Outlook não quis ler o arquivo vCard com o backup dos meus contatos (e, quando finalmente leu, importou tudo com os acentos bagunçados), depois o ActiveSync deletou os contatos que já estavam no telefone e, por último, fui testar um MSN que vem instalado no telefone e ele jogou todos os contatos do Messenger (incluindo spammers e gente que eu nem me lembro quem é) pra dentro do celular. E eu só consigo deletá-los, um por um, no próprio aparelho…
  • Várias configurações só são possíveis alterando, manualmente, o registro do Windows do celular. Para retirar um bipe incômodo que toca sempre que eu mando discar um número (mesmo no modo silencioso!), só fuçando o registro. E para meu ActiveSync funcionar com o firewall do meu computador, também só com mexida no registro. Super intuitivo né?
  • E, para o grand finale, o Windows Mobile NÃO TEM COPIAR/COLAR. Sim, meu amigo, você leu certo! Pra ter esta funcionalidade, só instalando um programa de terceiros…

P.s.: Não posso deixar de mencionar meu celular recém-aposentado, um Sony Ericsson W200i, que é EXCELENTE: barato, rápido, ótimo software, funcional, versátil e ALTAMENTE RECOMENDADO. Tanto que se mantém no posto de melhor celular que já tive. Fica a dica.

Em tempos de indefinição, a solução é comprar um teclado

Aquela história de ir pra Espanha me ensinou uma lição: na minha empresa, você só está realmente alocado em um novo projeto no instante em que coloca, fisicamente, os pés no ambiente de trabalho. Digo isso porque ontem eu fui formalmente alocado, desalocado e alocado de novo num projeto, no interior de São Paulo…

No meio dessa confusão toda eu desencanei, peguei o carro e resolvi que ia passear na rua Teodoro Sampaio, o lugar das lojas de instrumentos musicais em São Paulo. A idéia era só bater perna, mas acabei voltando de lá com um teclado MIDI de segunda mão (e preço justo) debaixo do braço.

O tecladinho é um Miditech i2-Control 25, com duas oitavas, 8 knobs e a escolha de cores mais terrível que já vi: a carcaça é da cor “cinza que queria ser prateado mas falhou” e as teclas/botões são azul-calcinha!

20080724

Feiúra por feiúra, combinou direitinho com meu Dell Vostro com cara de colostro.

Curando a saudade das montanhas geladas

No último sábado de manhã acordei cedo, saí de casa e comprei um par de patins.

Sim, você leu certo. Comprei um par de patins Powerslide Freeskate Cell 2.

20080127

Em meu juízo normal eu JAMAIS compraria uma coisa dessas, mas confesso que estou satisfeito com minha nova aquisição. É que, como temos o Ibirapuera aqui pertinho de casa, volta e meia a gente leva Pavlov pra passear por lá. Num desses passeios Bethania viu um cara dando aula de patinação debaixo da marquise, se interessou e perguntou se eu faria aulas junto com ela. Como bom marido que sou (e, dado o diâmetro da minha cintura e o grau elevado de sedentarismo), fui junto.

Acontece que andar de patins, para minha surpresa, começou a se mostrar um bom remédio para o que eu chamo de “dor-de-cotovelo da neve”, ou seja, a minha paixão incontrolável por esquiar, paixão esta que começou quando eu morei no Canadá e, de tão séria, foi a principal razão da minha lua-de-mel ter sido no Chile. A coisa é tão feia que eu mudo de canal quando vejo gente esquiando na TV, porque a vontade que dá de morar num país com neve fica absurdamente difícil de suportar.

Mas voltando ao Ibirapuera: aula vai, aula vem e eu começo a perceber que os patins tem algumas semelhanças com os esquis: as botas pesadas nos pés, o deslizar com o vento no rosto, as “remadas” ritmadas para pegar impulso, a dificuldade pra aprender a fazer as curvas e a parar, tudo é bem parecido… até a sensação deliciosa de alívio, de quando (depois de algumas horas) você tira os pés doloridos de dentro das botas, é bem igual. Obviamente, uma coisa não substitui a outra mas, como as “restrições orçamentárias” da vida paulistana devem me impedir de ver neve por um bom tempo, vou ficar matando a vontade – e tomando capote – na marquise do Ibira mesmo.

E quando eu tiver realmente bem, quem sabe não rola até um videozinho no YouTube…

TOP discos de 2007

Pra mim, 2007 foi um ano bem rico do ponto de vista musical. Ouvi muita coisa nova, descobri muita coisa boa. Mas muita coisa lançada em 2007 eu só estou ouvindo agora, por ocasião das inúmeras listas de TOP discos que me deixam com água na boca, querendo ouvir tudo ao mesmo tempo. Assim, esse meu TOP ficou um tanto quanto migué. Mesmo assim, vamos lá:

Simian Mobile Disco – Attack Decay Sustain Release

20080105 De longe, a melhor coisa musical que me aconteceu em 2007. É dançante, é divertido, é bem produzido, é original e atropela algumas centenas de lançamentos de gente que se considera moderninha mas que, no fim, é bem ruinzinha (cof cof LCD Soundsystem cof cof).

Os seis primeiros segundos de "It’s the beat" são suficientes para me dar arrepios, de tão boa que a faixa é; "Tits and Acid" é tudo que o canastrão do Fatboy Slim poderia mas não fez com sua TB-303. "Hotdog" é pra rir da letra e depois cantar junto, perdendo completamente a noção, numa pista de dança; e "Hustler" é, sem sombra de dúvida, a música do ano de 2007.

(Clique aqui para ver o clipe de "Hustler")

Justice – "Cross"

20080105_2 Esse eu nem comentei aqui antes, pois o disco entrou no páreo aos 45 do segundo tempo: baixei o disco no final de dezembro, seguindo a sugestão do blog de André X, o baixista da Plebe Rude. E o diabo do disquinho é simplesmente magnífico – a ponto de me deixar em dúvida se o troféu de "melhor do ano" vai pra ele ou pro Simian Mobile Disco!

Musicalmente, o disco do Justice (que não tem nome, só a cruz na capa, e que o faz ser chamado de "cross") é mais intenso, mais "rock", mais épico, enquanto o do Simian é mais eletrônico, mais classudo, mais musical. O que é ótimo e faz com que terminemos 2007 com duas pérolas divertidíssimas, perfeitas para serem ouvidas uma na sequência da outra.

Em tempo: já que "Hustler" roubou o título de música do ano, pelo menos o de videoclipe do ano tem que ir para "D.A.N.C.E.", a terceira faixa.

(Clique aqui para ver o clipe de D.A.N.C.E.)

Stars Of The Lid – and Their Refinement of the Decline

20080105_3 E, no extremo oposto do Justice e do Simian Mobile Disco, vem isto. "And their refinement…" é música ambient.

O disco – duplo e com duas horas de duração – se desenvolve sem pressa. Suas 18 faixas se espreguiçam ao longo do tempo, revelando beeem devagar do que são feitas. E são feitas de uma beleza magnífica, construída sobre harmonias simples mas sempre eficientes. Vocais? Bem, apenas DUAS frases são ditas durante todo o disco, em "humectez la mouture".

O fato de eu ter chegado neste disco é culpa do The Dead Texan, disco de 2004 que, de tão bonito, me fez pesquisar e descobrir que seu autor era Adam Witzie – uma das metades do Stars Of The Lid.

(Clique aqui para ver um "pseudo clipe" de Apreludes in C Sharp Major – Ignore as imagens, foi um muleque que montou o vídeo)

M.I.A. – Kala

20080105_4 Acho que só eu consigo gostar de M.I.A…

Sim, "Kala" é um disco tosco, com capa tosca. Mas a tosquice, o jeitão meio funk meio "world music" das faixas, os elementos indianos, as letras politizadas ("You think it’s tought now? Come to Africa!") e tudo o mais caem muito bem com a belíssima voz da diaba da mulher. Pensa bem: não existe NENHUM outro estilo musical para o qual a voz de M.I.A. serviria. Ela tinha que cantar exatamente o que canta hoje.

Mesmo quando a produção das faixas atinge níveis absurdos de tosquice, ao invés disto "esvaziar" as faixas, o efeito é o inverso: a voz de M.I.A. brilha ainda mais e músicas que tinham tudo pra fracassar (como, por exemplo, "World Town" ou "XR2") ficam ótimas.

(Clique aqui para ver o clipe de Boyz. Dói o olho mas é legal.)

Colleen – Les Ondes Silencieuses

20080105_5 "Les ondes" é, simplesmente, Cécile Schott – uma linda mulher francesa, professora de inglês de um liceu parisiense – brincando de tocar violoncelo, viola da gamba, clarinete, espineta (um tipo de clavicórdio) e outras coisas delicadas, como copos de cristal.

Digo "brincando" porque Coleen não é proficiente em nenhum destes instrumentos. Ela, inclusive, toca devagar porque não sabe tocá-los bem. E isto, que deveria servir de limitador para a música, acaba deixando aflorar melodias de um aspecto muito mais autêntico e poético. Em "Les Ondes Silencieuses", não são as notas que compõem as músicas, e sim os espaços entre elas. O foco não é produzir melodias bonitas, e sim naturais, fruto de uma exploração de como soa o instrumento, ao invés do que é possível fazer com ele.

(Não tem clipe deste disco, mas tem o de "I’ll read you a story", do disco anterior dela, que é absolutamente lindo)

Algumas observações adicionais

  • O novo do Of Montreal, chamado "Hissing fauna, are you the destroyer", possivelmente estaria nesta lista. Só que não tenho mais créditos para comprá-lo na eMusic, aí optei por esperar.
  • O do Panda Bear, que eu ouvi logo que foi lançado, que aparece na lista de melhores da eMusic e é campeão da lista do Pitchfork, também deveria estar aí, mas… sei lá.
  • O do Battles eu também só estou ouvindo agora, e me parece realmente bom.
  • Não, não dá pra gostar do LCD Soundsystem. Não sei o que as pessoas vêem nesses caras. E o "In Rainbows" do Radiohead é até legal, mas nem de longe é um dos melhores de 2007.
  • Vale mencionar as coisas boas lançadas em outros anos mas que descobri só em 2007, como por exemplo: Girl Talk, Asobi Seksu, Lemon Jelly, OOIOO, The Dead Texan e Laura.

Compras do mês d’O Primo

Esse mês quase não deu pra fazer esse post, por causa da mudança.

Como de costume, tudo comprado na eMusic, exceto o cabeça-de-rádio. E não, eu não ganho jabá da eMusic nem nada. Sou apenas um cliente feliz.

Simian Mobile Disco – Attack Decay Sustain Release

20071204

Este disco gira na esfera daquela modinha chata de lançamentos meio "electro" meio "new rave". Entretanto, meus amigos… ele é um dos melhores discos do ano de 2007.

Lembram de 1996, quando o Daft Punk lançou o "Homework", aquele disco que não tinha nada de mais, que havia sido produzido no quarto dos caras, mas que era absurdamente bom e virou um clássico? O A.D.S.R. é bastante parecido: não tem nenhuma firula de produção, não usa sintetizadores supermodernos, não tem vocalistas maravilhosas cantando letras poéticas nem nada. Mas é autêntico, é energético, é cru e vibrante como há muito tempo não se ouvia.

Chega a dar pena a comparação do Simian Mobile Disco com o resto das bandas da ondinha modernosa "electro new rave", que se levam muito à sério e fazem um esforço sobre-humano para soarem divertidas e parecerem cool – e falham miseravelmente ao fazer música prepotente e artificial. É justamente este o erro que o Simian Mobile Disco não comete e que o coloca anos-luz à frente dos seus compatriotas de gênero.

"Hustler", a faixa 4, é, de longe, a melhor música que ouvi este ano. Tanto que devo tê-la ouvido umas duas ou três vezes só enquanto escrevia este post. E, segundo meu iTunes, mais umas vinte vezes desde que comprei o disco. E "Hustler" não tem absolutamente nada de mais: bateria, texturas ácidas e uma menina contando (nem é cantando) algo sobre roubar discos de uma loja. Mas funciona de um jeito que chega a dar arrepios – literalmente. Os clipes de "Hustler" (tem duas versões) não deixam por menos e são imperdíveis. Destaque também para "Hotdog", cuja letra imbecil acaba ficando divertidíssima, e "It’s the beat", que vai te ganhar nos cinco primeiros segundos.

Radiohead – In Rainbows

20071204_3 Pois é. Eu fui uma das raras pessoas que pagou pelo In Rainbows. E confesso que foi uma das piores compras do mês.

Ok, neste momento eu tenho certeza que suas sobrancelhas subiram e/ou o queixo caiu. Talvez até minha mãe tenha sido xingada. Então vou medir muito bem as palavras que escreverei daqui pra frente, mas conto com você pra lê-las com atenção e sem preconceitos.

Observe que eu não disse que o "In Rainbows" é ruim – de fato, ele é muito melhor do que o que anda sendo produzido pelo mundo. Mas o Radiohead não é uma bandinha iniciante: eles tem uma carreira sólida, uma puta reputação (desculpe a cacofonia) e um histórico de lançamentos que inclui clássicos de renome, como o "OK Computer" e o "Kid A". Assim sendo, é natural que as expectativas para uma banda do cacife do Radiohead sejam, naturalmente, altos. O que se espera de um disco de uma grande banda – seja o segundo, o sétimo ou o décimo nono disco – é que ele apresente uma evolução da música que a banda produz – mesmo que o disco não seja melhor que o anterior.

Considere, por exemplo, o Sonic Youth. Thurston Moore não tem mais seus vinte-e-poucos anos. Kim Gordon já é mamãe. Lee Ranaldo hoje é um tiozão. Mas o som do Sonic Youth continua decidido a andar por caminhos diferentes e a buscar novidades. A raiz de experimentalismo dadaísta da época do "Confusion is Sex" foi se refinando até ficar quase pop com o "Dirty", depois melódica-desafinada em "Washing Machine", depois psicodélica e progressiva em "Sonic Nurse" e depois rock’n roll como-nos-velhos-tempos em "Rather Ripped". O Sonic Youth tem uma alma fixa e um corpo diferente a cada "encarnação" em forma de disco – e, pra mim, essa é a característica mais marcante de uma boa banda.

Acontece que, no caso do Radiohead, a sequência de inovação, de renovação que começou na dupla "Kid A/Amnesiac" começou a se perder no "Hail to the thief". E aí veio o "In Rainbows", que, sonoricamente, parece não pertencer a lugar nenhum dentro da linha do tempo do Radiohead. As músicas parecem ocas. Algumas faixas se apóiam apenas na voz de Thom Yorke, que, convenhamos, não é nenhuma Björk. E a produção, espartana, faz escolhas esquisitas como em "Faust Arp" – o que diabos aquelas cordas estão fazendo ali? E que violão estilo "Garth Brooks" é aquele?

Por isso, é com muita pena que eu digo que o In Rainbows é o Radiohead em um de seus piores momentos. É uma pena mesmo, considerando o contexto inovador do lançamento e a repercussão que teve. Pudesse eu pagar pelo disco depois de ouví-lo e eu não pagaria nem a metade do que paguei.

Harmonic 33 – Extraordinary People

20071204_4Viagens hip-hop inspiradas em soundtracks de antigamente, com uma levada sossegada, samples "amigos" e um eventual clima retrô para acompanhar. Até sua vó poderia gostar de "Extraordinary People" – e, não, isto não é uma ofensa. Pelo contrário!

Aparentemente o Harmonic 33 pertence ao time de bandas como o Nightmares on Wax ou o Lemon Jelly, que fazem discos para descansar as pessoas musicalmente, er, "ousadas". O "Extraordinary People" é uma massagem para os ouvidos estropiados com texturas dissonantes, contrastes exagerados e outras esquisitices. Desce macio e reanima.

E, por incrível que possa parecer, Mark Pritchard e Dave Brinkworth, os produtores do disco, NÃO são dois negões.

Kavinsky – 1986

20071204_2 Este EP segue o mesmo caminho despretensioso do Simian Mobile Disco, com a diferença de que soa mais anos 80, mais música de videogame – o que fica óbvio já a partir da capa.

É uma fórmula batida, eu sei, mas funciona que é uma beleza. Os únicos pecados deste disco são seu tamanho e a similaridade um pouco exagerada com o Daft Punk das antigas. Afinal, uma coisa é usá-los como inspiração, outra é usá-los como… bem, muita inspiração.

Destaque para "Grand Canyon", que parece ter sido tirada diretamente de uma propaganda do Commodore 64.

Telefon Tel Aviv – Fahrenheit Fair Enough

20071204_5 Em Fahrenheit Fair Enough, o nome de disco mais difícil de digitar que existe, o Telefon Tel Aviv fez algo que poderia ser resumido como "caprichado".

As músicas transitam numa faixa bem no meio do digital e do analógico, compondo um eletrônico "des-artificializado", melódico. Texturas acústicas, "normais", navegando entre batidas digitalescas que às vezes parecem estar prestes a ter um ataque de nervos – mas numa boa, sem perder a pose.

O resultado é um disco que, apesar de às vezes pegar emprestada a dislexia e a falta de coordenação de alguns gêneros de música eletrônica (leia-se IDM), acaba produzindo faixas ricas, narrativas, concisas. Como "John Thomas on the Inside Is Nothing But Foam" que, de tão bem concebida, parece uma música do Tortoise.

Compras do mês d’O Primo

Chegou o post que Luiz adora, onde o André só vê as capinhas dos discos e o resto do pessoal passa direto.

Fora o último disco, todo o resto foi comprado na eMusic. Cês viram o Radiohead e o Nine Inch Nails chutando a bunda das gravadoras, né? Pois é. Tou te falando. Daqui a uns 10 anos vocês vão estar todos comprando MP3 online como eu.

Clique nas capas dos discos para visitar a página correspondente na eMusic e dar uma sacada nas amostras das músicas. Ou clique no “play” abaixo:

Podcast do Primo 03 – Compras do mês de setembro

Tracklist
1) Manual – A.M. (0:00 – 2:12)
2) Proem – Sputterfly (2:12 – 4:03)
3) Farben – Beautone (4:04 – 6:15)
4) Isotope 217 – Looking after life on mars (6:16 – 9:00)
5) Oval – faixa 8, sem título (9:01 – 10:31)
6) Worm is Green – Love will tear us apart (10:32 – 12:47)

Manual – Ascend

Manual - Ascend Definição rápida para o som de Manual: é um Proem com guitarras e violões. Só que, possivelmente, só eu conheço Proem por aqui.

Portanto, detalhando, Manual é um eletrônico metade ambient e metade IDM “alto-astral”. É um Lemon Jelly sem vocais, com menos groove, mais reverb e mais sobriedade. A ilustração da capa é proposital, pois é o clima geral das músicas: um fim-de-tarde musical bastante sossegado.

Pela sua característica ambient, Manual não aprofunda muito a complexidade ao longo das faixas e, portanto, rende melhor como música de fundo (aquela que você coloca pra trabalhar ou ler).

Uma observação adicional: na minha ida ao FAD tive a grata surpresa de descobrir o Janete & Claire, duo mineiro que faz um som bem na linha Proem/Manual. Bateu um orgulho “roots” ao ouví-los :). Vale a conferida.

Proem – A Permanent Solution

20071022_2 Depois do Socially Inept, que é uma jóia, eu tinha que ouvir mais alguma coisa do Proem. Mas antes uma explicação técnica:

Pode-se separar discos em duas categorias distintas: os “glower” e os “grower”. Os “glower” (do inglês “glow”, brilhar) são os que te pegam na primeira audição e você adora e ouve até enjoar. Por outro lado, os “grower” (do inglês “grow”, crescer) não dão aquele estalo logo na primeira audição – muitos até parecem ruins da primeira vez. Mas conforme o tempo passa você percebe que o disco vai, gradativamente, ficando bom.

Confesso que o A Permanent Solution ainda está “crescendo” em mim (puta frase gay essa, viu). Mas o que já posso afirmar em relação ao disco é que ele não desenvolve idéias muito diferentes do Socially Inept, tornando-se, portanto, “mais do mesmo”. A diferença mais marcante é uma nota adicional de introspecção, aparente em faixas sem batida que usam instrumentos leves e analógicos (piano, flauta, etc.), introspecção esta que, conforme o final do disco vai chegando, fica um pouco auto-indulgente demais.

Farben – Textstar

20071022_3 Se você não é DJ, deve concordar comigo que a melhor forma de consumir techno é em sets mixados por um DJ. As faixas soam muito melhor coladas entre si, numa sequência infinita de transições de texturas sobre batidas bem marcadas. Afinal de contas elas foram feitas pra isso.

Só que de vez em quando aparece alguém que faz um disco multi-utilidade, servindo tanto pra colar num mix e ser dançado quanto para ouvir quietinho, sentado num sofá. É o caso de Textstar, do prolífico produtor Jan Jelinek.

Jelinek parece entender mais do que ninguém a razão do minimal techno ser tão bom: a sua característica analítica, de mostrar mais conteúdo e sofisticação com cada vez menos som. E ele parece entender também o porquê do techno propriamente dito ser bom: a música tem que ter um caráter, uma idéia, uma atmosfera que a coloque acima do tuntistum tradicional. Textstar – lançado apenas em CD, coisa rara para produtores de techno – tem tudo isso em abundância.

Outros discos comprados mas que não vou reviewzar com tanto detalhe:

Isotope 217 – Utonian Automatic – Comprei porque é da Thrill Jockey e é de uma banda “irmã” do Tortoise. O “Utonian Automatic” contém a mesma alma de jazz e toda a parte de “guitarras pós-rock” que o Tortoise usou no TNT e no Standards. Se você não suporta esse tanto de eletrônicos que eu fico colocando aqui, vá de Isotope. Mas passe antes pelo Tortoise.

Oval – Ovalcommers – A grande vantagem do Ovalcommers é que ele parece muito com “So” – feito pelo Markus Popp (Oval) e Eri (Microstoria), e que é um dos melhores discos da minha coleção. Mas, alto lá: se você não for um “iniciado” em bizarrices eletro-acústicas vai achar o Ovalcommers “um monte de barulho” e o So “um monte de barulho”. Já eu definiria o monte de barulho como “um delicioso paradigma musical”.

Worm is Green – Automagic – É melancolia eletrônica entremeada por belos vocais femininos. E ainda tem um cover de “Love will tear us apart” que é de chorar.

Cesar de Melero – Clap your hands vol. 2 – Bethania esteve na Europa mês passado e, ao passar pela Espanha, não conseguia decidir o que trazer para mim de lembrança. Aí entrou numa loja de CDs e decidiu trazer pra mim a coisa mais esquisita que encontrasse. É por isso que eu amo minha esposa 🙂

Cesar de Melero é um DJ, e “Clap your Hands” é um CD duplo mixado. E eu não sei definir que diabo de música esse cara mixou. Parece “disco house de brincadeirinha” – as músicas parecem saídas diretamente dos anos 80, tem aquela cara de amadoras, os vocais são simplinhos, as letras cantadas são óbvias (“move your feet, get on the dance floor”, etc) e o nome dos artistas das faixas mixadas são… er, bem, veja só, temos “DJ Weight Problem”, “Frank Chickens”, “El General”, “Manu Dibango” e por aí vai. Tem como não gostar de um disco desses?