Minha abalizada opinião sobre a polêmica da DM9DDB

Eu não tenho mais tempo de ler toda a minha timeline do Twitter durante o dia: só dou umas lidinhas nos segundos em que estou no elevador ou esperando uma reunião começar. E nessas “lidinhas” vi que o assunto da vez era uma certa polêmica envolvendo um tal anúncio da agência DM9DDB e os atentados de 11 de setembro.

Só agora à noite eu consegui ver o tal anúncio, feito para a WWF: é uma foto do sul da ilha de Manhattan – incluindo as torres gêmeas – e centenas de aviões se aproximando delas. O texto diz que “o tsunami matou 100 vezes mais gente que o 11 de setembro”.

image

Eu olhei longamente a foto do anúncio, pensei bastante, e concluí que, realmente, a parte sul da ilha de Liberty City (a cidade do jogo Grand Theft Auto IV) é IGUALZINHA à da ilha de Manhattan.

Este post é porque tem muito tempo que eu não escrevo no blog

Sim, exatamente o que o título diz. O problema é que, como você já deve ter concluído por consequência, é que eu não tenho assunto para este post. Mas estou escrevendo mesmo assim.

Woohoo, olha só, já estou no segundo parágrafo! Filma eu, Galvão!

Na verdade até tem assunto. Por exemplo, acabei de me lembrar do dia em que estava na sala de espera do médico e uma das revistas tinha uma matéria sobre nada menos do que o prepúcio de Jesus. Sim, prepúcio, aquela pele que envolve a ponta do pênis – mas não de qualquer pênis, era o pênis de Nosso Senhor Jesus Cristo.

prepucio

É estranho escrever sobre o pênis de Jesus aqui no blog. Eu fico com a sensação de que Deus está me olhando com uma cara feia enquanto anota meu nome num caderninho.

Mas veja você que essa minha ideia de escrever sem assunto até está rendendo: a foto da página da revista me fez lembrar de algumas outras que tirei com o celular e que também rendem um ou dois parágrafos. Como essa aí embaixo.

mavica

Meu antigo cliente de Brasília renovou o projeto e tive que refazer meu crachá para entrar no prédio – o que incluiu bater uma nova foto. Até aí tudo bem, mas o que você não deve ter reparado é que aquela câmera ali é uma Sony MAVICA – Sim, aquela que foi uma das primeiras câmeras digitais, e que guardava as fotos em DISQUETES DE 1,44”. Sim, cara, disquetes. A Mavica é o Tiranossauro Rex* das câmeras digitais.

* – Sim, essa foi proposital e especial pra vocês, Tiagón e Renmero.

Por sinal, nem contei aqui da renovação do projeto de Brasília: voltei a visitar a “Washington brasileira” semana passada, nesse que é o maior contrato de consultoria que a empresa onde trabalho fechou este ano. Tenho uma treta enorme pra entregar, uma equipe de nove consultores pra orientar e uma gravata enrolada no pescoço pra atrapalhar. E no fim tudo tem que rimar. Mas em compensação tenho o melhor cliente EVER (lembram?). A gente termina uma reunião e emenda com conversas sobre coisas como Jack Kerouac, pra vocês terem uma idéia.

congonhas Outra coisa que voltou com a renovação do projeto é a rotina de aeroportos. Na última segunda-feira eu estava na fila do check-in curtindo um mau humor triplo – resultado de três coisas que me irritam profundamente (aeroportos, filas em aeroportos e as horas do dia anteriores às nove da manhã) quando reparei que o assoalho do aeroporto de Congonhas é quadriculado como um tabuleiro de xadrez. E pensei:

“Nada mais apropriado. Os engravatados acham que são reis, as dondocas acham que são rainhas, mas todo mundo é peão”.

Eu ia até twitar isso, mas acho que me chamaram pra fazer check-in e acabei deixando pra lá.

Tem também outra foto que eu queria postar aqui mas que não vou conseguir conectar com os outros assuntos de jeito nenhum, então vai assim mesmo. Amigos, amigas, eis o banheiro recursivo:

recursivo

É o banheiro de um cinema (que, obviamente, não lembro qual é), cujos espelhos ficam um de frente pro outro.

E este foi “o post porque tem muito tempo que eu não escrevo no blog”. Até que rendeu. Até a próxima, amiguinhos!

A lojinha dos presentes anti-sociais

Na verdade é uma lojinha de presentes, fica aqui perto de casa.

Primeiro você vai lá e compra este capacho…

capacho

Aí aquela pessoa chata vai te visitar, chega na porta da sua casa, lê o capacho, dá uma risadinha, você ri de volta e fica tudo naquele clima “sarcasmo-chic”. Aí, para terminar a programação neurolinguística, em algum momento posterior você menciona, casualmente, que “toda brincadeira tem um fundinho de verdade”.

Agora, um bibelô DESSES não é somente anti-social, é TRAUMATIZANTE para toda a vida:

bibelo

Eu nem sei o que dizer desse bibelô. Tentemos algumas alternativas:

  • É uma estatueta que espanta maus espíritos. Vivos ou mortos.
  • É um dispositivo de segurança: se um ladrão entra na sua casa, ele vê isso e sai correndo.
  • Isso é do cenário de Friends, daquela temporada onde o Joey Tribbiani decorou seu próprio apartamento.
  • Foi feito por um artista que morreu de overdose. Serve de lembrete, para que eu nunca, NUNCA use drogas.

Hora do Planeta – FAIL?

Eu tirei uns panoramas da minha janela 10 minutos antes e depois do início da tal “Hora do Planeta” – aquela, onde todo mundo supostamente apagaria as luzes de casa por uma hora para chamar a atenção sobre os problemas do meio ambiente.

Eu diria que ficou parecendo um “jogo dos sete erros”. Quase não dá pra ver janelas apagadas…

horadoplaneta

Bem, é como eu disse no Twitter: hora do planeta é legal, é louvável, mas é o equivalente ambiental ao “atleta de fim de semana”.

P.s.: A Lúcia Malla fala bem melhor do que eu sobre esse assunto.

Update: O Big Picture do Boston.com fez mais ou menos a mesma coisa que eu – só que pelo mundo inteiro e em vários monumentos e locais históricos onde o pessoal realmente apagou as luzes.  Clique nas (belíssimas) fotos para ver as luzes apagadas.