Double Post!

Post duplo. Fo’ shizzle, my nizzle!

Zé’s Working Saga – Véspera de Carnaval

09:00 – Chego no trabalho. Passarei a manhã fazendo um serviço estúpido: ajudando Cristina (nome fictício) a preparar uns relatórios com o andamento do antigo projeto onde eu estava, que já está no fim. Estes relatórios deveriam ser entregues a outra pessoa, chamada Marcela (nome fic… ah, você já sabe).

Em resumo, vou ajudá-la usar o Word e Excel. Vale lembrar que Cristina é burra como uma porta e passou a noite em claro (o tio dela está no hospital).

09:20 – Depois de Cristina tentar me explicar o que Marcela pediu, eu telefono pra Marcela e descubro que é tudo completamente diferente do que Cristina falou.

10:10 – Neste meio tempo meu telefone toca: é a equipe do outro projeto. Saí da sala para atender.

– Ei cara! Precisamos fazer a apresentação pro site pra reunião de amanhã…
– Mas… mas de tarde eu tenho outra reunião, dura a tarde toda, não vai dar tempo…
– Ah, se vira…

Olho pela janela e vejo o tempo do meu almoço, que saiu voando. Quando eu volto pra sala, Cristina está lá. LENDO O JORNAL.

Parei do lado dela e dei uns 15 segundos para ela se lembrar que eu existo. Não funcionou.

– Cristina…
– Ah! Vamo lá. Continuando aqui…

12:00 – Hora do almoço. Vou resolver o pepino do site. Me sento com o cara do CPD, que tenta reconstruir a página inicial (o micro dele deu pau). Nas caixinhas de som do computador dele, toca Tribalistas, alternado com músicas de forró. Meu cérebro grita.

Na sala ao lado, um casal conversa. O homem diz:

– Putz, tou com dor de cabeça… Você tem Novalgina?
– Tenho…
– Ah, mas não posso tomar “Navagina” não, porque senão minha pressão cai.
– Ah, quando eu tomo “navagina” a minha pressão sobe!

13:05 – Almoço. McDonalds.

13:40 – Saindo do almoço e indo para a reunião da tarde. O pneu do carro fura, mas não dá tempo de colá-lo. Páro num posto e encho o pneu furado só pra conseguir chegar no local da reunião.

14:00 – Reunião. Meu notebook está conectado no datashow. Fiquei “micrando” alegremente a tarde toda, enquanto me dopava com cafeína para não dormir.

22:00 – O dia acabou. Voltando pra casa, um véio dá seta pra entrar na rua onde eu estava. Aí, ele não olhou e foi. Derrapada, impacto, e calota voando em frente ao meu pára-brisa, para meu desespero. Danos no paralama dianteiro direito e arranhões no pára-choque, além da calota (que foi pro limbo).

Os dois paralamas traseiros já estavam arranhados (obra da minha irmã). Só falta agora algum motoqueiro lenhar o paralama esquerdo pra ficar tudo
simétrico.

O bom dos dias em que nada mais pode dar errado é que o dia seguinte só tem uma possibilidade: a de ser melhor.

Da bomb

Meu consultor sênior acaba de me fazer um elogio. Está me parabenizando pelo trabalho que fiz na apresentação de hoje de manhã, que consistiu em:

1) Abrir o Internet Explorer e ver a página inicial do maldito site que estou fazendo.
2) Apertar PRINT SCREEN
3) Abrir o Power Point e colar

Legal né! Aí, exatamente na sequência, um colega comunicou que está pedindo demissão. As coisas ultimamente estão altamente intensas. É bomba atrás de bomba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *