Belo Horizonte invadida por zumbis

Eu não acredito que perdi isso!!

Fui ver meu email e vi um excelente post de Maíra comentando sobre o protesto “Fora Lula” de ontem, falando que deu só 200 pessoas metidas a besta e tal… e comentando o que aconteceu logo depois: a primeira Zombie Walk de Beagá!!


BRRAAAINSSS!!….

Zombie Walk é basicamente isso: uma cambada de gente vestida de zumbi perambulando pela cidade. Segundo Maíra, a Zombie Walk belorizontina tinha no mínimo quatro vezes mais gente que o “Fora Lula”. O roteiro dos zumbis era ir da Praça Sete até o Pátio Savassi (pra quem não sabe, um dos shoppings mais grã-finos de BH)! Uma pena terem barrado o pessoal na porta. Eu ia delirar se os zumbis invadissem o Pátio…

As fotos já apareceram na internet e o YouTube, obviamente, já tem vários vídeos do evento. Em um deles, mais completinho e dividido em duas partes, dá pra ver os zumbis “atacando” um ônibus, alguns carros e, no final, um deles gritando pra câmera: “Mãe, eu tou no YouTube!”

Isso é lindo demais. O próximo eu não perco por nada nesse mundo…

Compras do mês d’O Primo

Tudo via eMusic, como de costume. E, curiosamente, esse mês foi quase tudo da Thrill Jockey

Se você gostar da idéia de comprar MP3 online, me fale que eu te indico no site. Você ganha 50 downloads grátis pra fazer um “test-drive” e se, no final, quiser virar assinante, EU ganho 50 downloads, portanto, me ajuda aí.

Agora, aos discos:

OOIOO – Taiga

Depois do maravilhoso Gold and Green eu simplesmente tinha que continuar ouvindo a discografia do OOIOO.

“Taiga” soa como “tiger” e significa “grande rio” em japonês e “floresta” em russo, ou seja, podemos esperar mais daquela sonoridade estilo “no meio do mato comendo cogumelos alucinógenos”. De fato, a viagem começa nos nomes das músicas do disco: UMA, KMS, UJA, GRS, ATS, SAI, UMO e IOA. Sim, é sério: aparentemente, elas sortearam três letras pra formar os nomes das músicas e depois montaram as músicas partindo dos seus títulos. Digo isso porque as primeiras palavras cantadas em UMA e em IOA são, respectivamente, “uma” e “ioa”,e da segunda metade de UJA pra frente as meninas cantam alguma coisa que começa com “Uja, uja!”.

A beleza artística de Taiga reside justamente no fato de que o que, aparentemente, é uma bagunça aleatória de mulheres doidas, na verdade é um trabalho minuciosamente construído. Por isso é muito divertido ouvir o álbum repetidas vezes e, a cada audição, encontrar uma nova surpresa: por exemplo, descobrir que “UMO” é uma versão diferente para “UMA”, inclusive com a mesma letra tribal maluca. Eu bem que queria saber como diabos elas decoram aquilo. Taiga também tem referências a outros trabalhos da banda: a faixa final, IOA, repete o mesmo grito tribal de Ina, do Gold and Green.

As músicas longas (SAI tem 15 minutos!) e “desconstrutivas” de Taiga também dão asas para a imaginação: a terceira faixa, UJA, soa de um jeito psicodélico na primeira metade e de um jeito completamente oposto na outra metade, o que me faz lembrar que o próprio nome da banda é dividido ao meio. E isso não parece ser fruto do acaso.

Agora eu estou contando os dias para meus downloads do eMusic darem refresh e eu poder baixar o resto dos discos. Ééé, amigo… basicamente, Taiga é tão recomendado quanto o Gold and Green. Mas, novamente, apenas para os mais musicalmente doidos, como eu e Luiz.

Jeff Parker – The Relatives

The Relatives é o trabalho “solo” de Jeff Parker, também conhecido como “o negão guitarrista do Tortoise” (hehe).

Eu não entendo nada de jazz, portanto o que escreverei aqui é o que meus calejados ouvidos puderam perceber. E o que ficou mais evidente a eles é que The Relatives é como se você “decantasse” a parte jazz do som do Tortoise e fizesse um disco só com ela. Em alguns momentos a guitarra de Jeff Parker é bem melódica (como em Beanstalk), em outros bem experimental (como em The Relative). Mas a habilidade do cara em tecer belas melodias em real time é evidente em todas elas.

Lemon Jelly – Lost Horizons

Desde o título fica bem claro que Lost Horizons é feito para viajar. Seja com drogas, seja numa estrada, seja no espaço, não importa.

Os horizontes perdidos de Nick e Fred (os ingleses que compoem o duo) são compostos de muito groove, pitadas de jazz, de ambient e de dub, ritmos intensos mas nunca invasivos, e uma base melódica simples e classuda. É como se você pegasse o Nightmares on Wax e trocasse o estilo “moleque maconheiro” por “escritor beatnik usando LSD”. Vai por mim, é exatamente isso.

Como se não bastasse, o Lost Horizons, ao contrário do OOIOO, é ultra-acessível. A coisa toda é tão amistosa que você poderia usá-lo como trilha do filme do seu casamento. Altamente recomendado.

The Dead Texan (auto-intitulado)

Confesso que estava preocupado comigo mesmo quando comprei o disco do Jeff Parker. Pensava: “Putz… estou gostando de jazz… estou odiando essa modinhas novas de ‘new rave’, ‘electro rock’, ‘disco punk’… estou ficando musicalmente velho“…

Se minhas preocupações tiverem alguma realidade, The Dead Texan marca a minha entrada oficial no mundo dos velhos da música. É que, a
despeito da alcunha de “texano morto”, este é um disco de ambient. Sim, de ambient… faixas etéreas, que se esticam pelo tempo em texturas suaves e longas… como uma propaganda de amaciante em câmera lenta.

Piadas à parte, The Dead Texan tem bastante piano, notas longas de cordas sustentando uma base harmônica elegante e bonita… e nenhuma pressa de acabar. É um belo disco, perfeito para um final de sexta-feira ou uma manhã de domingo.

Ecumênico é isso aí

Acabei de perceber que estou preparando uma palestra sobre espiritismo, cujo tema é o Evangelho Segundo o Espiritismo, e para isso estou consultando o verbete sobre a Bíblia da Wikipedia. Tudo isso enquanto ouço Neon Bible, o disco novo do Arcade Fire…

Dia de treinamento

Ontem eu passei o dia dando um treinamento para os gerentes das filiais do nosso cliente.

De manhã todos me amavam. A turma participava, mostrava interesse, era tudo lindo.

De tarde eu quase fui linchado. Todos gritavam e falavam ao mesmo tempo, as veias dos pescoços saltavam pra fora e os rostos ficavam vermelhos. Eu conseguia falar no máximo três palavras antes de ser interrompido pelos gritos. Pra piorar, o chefe das filiais perdeu a paciência e saiu da sala pra não apelar com todos.

A diferença entre a manhã e a tarde é que, de tarde, a gente mostrou as metas para o ano que vem…