O Primo’s Sunday Traveling Saga

Domingo. Acordei sozinho, às nove da manhã, no quarto de um hotel em Joaçaba, interior de Santa Catarina. Trabalhei sexta e sábado dando um curso, mas vôo para me levar de volta pra São Paulo que é bom, só no domingo. O término do horário de verão, que foi bom pra todo mundo, pra mim significou uma hora a mais para ficar longe de casa. Nada bom.

Tomei um café e o taxista apareceu para me levar ao aeroporto… de Chapecó, a duas horas e meia de distância (sei lá quantos quilômetros eram, pra mim o que importa é em quanto tempo eu conseguiria atravessá-los). A viagem incluiu passagens por lugares de nomes pitorescos como Xanxerê, Xaxim e a inacreditável Faxinal dos Guedes, tudo ao som do melhor da música de corno sertaneja no rádio do carro. Como por exemplo a belíssima “Não me procura”, de Alan e Aladin. Sente só uma das estrofes (mas leia com bastante vibrato na voz, para dar efeito):

Voce caprichou dessa vez
Fez tudo como manda o figurino
Bati o escanteio dos meus sonhos
E a bola deu na trave do destino

O vôo atrasou uma hora (normal) e quando embarquei, havia um moleque sentado no meu assento. O assento que eu havia escolhido cuidadosamente, com DIAS de antecedência, porque era uma janela e ficava do lado oposto ao que o sol ia bater durante o vôo. Assim eu não sentiria calor e a luz seria perfeita para eu fazer o que mais gosto: botar meus fones de ouvido, ficar olhando a paisagem e me esquecer do mundo por algumas horas. Mas o moleque birrento estava chorando tanto que não tive outra opção e fui me sentar no corredor. E só aí percebi a enrascada onde me meti:

20080218

Eu estava cercado por nada menos do que QUATRO crianças. A mãe dos meninos da minha esquerda (que andavam de avião pela primeira vez) estava longe e falava com eles o tempo todo. Eu não podia simplesmente botar o meu superfone de ouvido e ficar surdo para o resto do mundo porque, de cinco em cinco minutos, ela me perguntava se as crianças estavam incomodando. “Eles não, mas a senhora está”, foi o que pensei, mais vezes do que é saudável para um rapaz cristão. E o bebê de colo, como todo bom bebê em avião, estava chorando.

Na hora do serviço de bordo, o menino da minha esquerda solta a pérola:

– Eu quero ir no banheiro.

Até aí tudo bem, não fosse o fato do layout da cabine naquele momento ser mais ou menos o do desenho abaixo:

20080218_2

Depois de um empurra-empurra e um trança-trança entre cadeiras básico, o menino foi lá se aliviar.

Alguns minutos depois o avião ficou estranhamente sereno e eu achei que os instantes finais de viagem (até a escala em Floripa) seriam, finalmente, sossegados. Mas a aeromoça, nos alto-falantes, mandou apertar o cinto por causa de uma “área de instabilidade”.

Eu acho que no crachá dela devia estar escrito “Nostradamus” ou “Mãe Dinah”, porque no EXATO momento em que ela terminou de dizer “instabilidade” o avião começou a chacoalhar. Mas chacoalhar MUITO. Mas MUITO MESMO, dava pra ver a cabine se retorcendo e ouvir as malas batendo umas nas outras nos bagageiros. Era meu “personal turbulência record” sendo batido.

Agora adivinha a reação das crianças em volta de mim. Pânico? “Eu quero minha mãe”? Choro e ranger de dentes? Pelo contrário: as crianças estavam adorando a turbulência! O bebê de colo morria de rir das sacolejadas do avião e o moleque do xixi gritava:

– Uhuuu!! Dá friozinho na barriga, olha!!

Eu não tenho medo dessas coisas e estava tranquilo… até que olhei pro assento do menino mijão e vi que o copo de coca-cola dele estava desgovernado, patinando na mesinha. “SEGURA SEU COPO!!”, gritava a mãe, mas o menino estava tão entretido com a turbulência que eu tive que me salvar de levar um banho de coca-cola por umas três vezes. E quando a situação não podia piorar, a mãe dos meninos me cutucou e disse:

– Rápido, me passa seu saquinho de vômito, ela vai vomitar!

A mãe do birrento estava branca como defunto e com aquela cara típica de quem vai chamar o Hugo. E eu não achei saquinho de vômito na minha cadeira. E o copo do menino-mijão continuava esquecido na mesinha, deslizando perigosamente. Ou eu procurava o saquinho e me arriscava a levar um banho de coca, ou segurava o copo e ganhava um avião cheirando a vômito até São Paulo.

Foram instantes tensos. Mas uns 15 minutos depois o avião sossegou e pousou em Floripa. Os meninos, hiperativos, queriam descer do avião antes mesmo dele parar no terminal. Confesso que eu também queria, mas a mãe deles foi bem direta e disse:

– Nós vamos descer por último!

O avião parou no terminal e eu fiquei lá, desolado, esperando a hora do jardim de infância aéreo ir embora. O menino-mijão, impaciente, me cutucou e pediu licença. Respondi, resignado:

– Não posso, estou obedecendo sua mãe.

11 thoughts on “O Primo’s Sunday Traveling Saga”

  1. hahaha! Alan & Aladin! Sensacional. Daqui a pouco surge a dupla Geraldo & Gênio! Outro dia vi um cartaz aqui em BH.. Era Dani & Denis.
    **
    Muito engraçado esse vôo, Zé! Ri muito aqui..

  2. Esse blog ainda vai virar um filme… e não vão te pagar os direitos 😉 haha mas eu rachei de rir!

    Bateu seu “personal-infógrafo” record também com esses desenhos do avião! lol

  3. Meu amigo sempre me conta de suas várias histórias hilárias, mas essa realmente superou todas, vc deveria escrever um livro… realmente não sei se sentia pena de você, ou ria da sua desgraça naquele momento… Sinto muito eu não pode deixar de rir muito !!!

  4. COnheci hj seu blog… e por incrivel que pareça nao só sou de Xanxere, quanto meu apelido na cidade em que curso minha universidade é xanxere… fazer o que, ninguem é perfeito, nao?! show seu blog, show mesmo!

  5. Historia interessante, a nao ser pelos “nomes pitorescos” ao qual você se refere a uma cidade digna de respeito e que não merece ser taxada por babacas que se acham maiores que todos! Xanxere tem historia e não é simplesmente um nome pitoresco, pitoresca deve ter sido a educação que seus pais te deram seu troxa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *