Meus discos do mês

Comprei na eMusic. Sim, babo ovo mesmo.

20080428.jpgFennesz & Sakamoto – Sala Santa Cecilia

As paredes de barulho sonoro que o austríaco Christian Fennesz constrói com sua guitarra e seu Mac não são exatamente “acessíveis”. Tanto que a comunidade dele no Orkut, por exemplo, tem minguados 37 membros.

“Sala Santa Cecília” é uma parceria de Fennesz e Ryuichi Sakamoto, gravada ao vivo na Itália para o festival Romaeuropa. Sakamoto contribuiu com pitadas eletrônicas, Fennesz entrou com sua sempre competente guitarra “ambient”, e o resultado são 19 minutos* de uma sintonia ímpar – e olha que não é exatamente simples “sintonizar” barulho de guitarra hiperprocessado com pops/clicks/glitches aparentemente aleatórios. (Myspace – Site oficial)

* – DICA QUENTE: Músicas longas são o melhor custo benefício da eMusic, já que você paga por faixa. Neste disco você leva 19 minutos de música por US$ 0,26 (sim, vinte e seis CENTAVOS de dólar).

20080428_2.jpgOOIOO – Kila Kila Kila

É meu terceiro disco do OOIOO. Nesse ritmo eu vou completar minha coleção rapidinho…

“Kila Kila Kila” segue a receita básica do OOIOO, ou seja, loucura psicodélica total, guitarras e batidas semi-tribais se repetindo por longas faixas, vocais meio “mantra” meio “coisas que o xamã da sua tribo cantaria”. E é por isso que eu aprecio esse pessoal, pois há uma linha muito, muuuuito tênue entre o nonsense puro e simples e a música extraída do meio do nonsense – habilidade esta que eles esbanjam e que me fascina. (MyspaceSite oficial)

 

20080428_3.jpgTape – Opera

Opera é uma espécie de joguinho entre texturas “analógicas” e “digitais”: acordeons misturados com glitches, violões e gaitas mesclados com ruído rosa e por aí vai.

A abordagem do trio de multi-instrumentistas suecos responsáveis por este disco é bem evidente logo na primeira audição. Os instrumentos não são usados do jeito convencional – ao invés de tocar músicas (sequências de notas) eles emprestam texturas, timbres e cores para as faixas. A “moral da história” de cada faixa não está na sequência das notas que são tocadas, e sim em como estas texturas se misturam e se alternam. Se bobear, o título do disco (Opera) deve até ser uma piadinha com este jeito convencional de compor… (Myspace – Site oficial)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *