Sobre a terceira dimensão, foie gras, browsers e largura de banda

Dia desses eu li, não lembro onde, que uma das estratégias de Hollywood para – adivinhe! – coibir a pirataria eram os filmes em 3D. Neles a “experiência” só é completa para o espectador se ele estiver no cinema, com os tais óculos especiais, então as cópias piratas não fariam sentido.

Mas hoje eu vi que a nVidia está anunciando uma tecnologia de 3D “real” para jogos de computador onde você usa – adivinhe! – óculos especiais e enxerga as cenas do jogo em três dimensões.

Aí eu fiquei pensando no futuro da pirataria de filmes, somei uma coisa com a outra e… adivinhe!

Hoje aconteceu a pesagem oficial do “Perder Para Ganhar” que a equipe aqui do projeto de Dead Cow City organizou. É um concurso inspirado no programa de TV homônimo, onde a meta era perder 5% do seu peso em um mês – e quem perdesse menos que isso pagaria para quem perdesse mais peso.

Sim, tinha dinheiro no meio. Sim, é ridículo. E, sim, eu estava participando. Mas eu empurrei a coisa com a barriga (hein, pegou essa) e não mudei muito minha rotina ou meus hábitos alimentares – que, felizmente, já estavam bem saudáveis desde meu último exame de sangue, que deu colesterol altchééézimo e uma leve esteatose hepática – vulgo “fígado gorduroso”. Sabe foie gras? Pois é. 

Saldo final da brincadeira: perdi 2,5 kg. E também 40 reais, já que fiquei bem longe dos 5% de meta.

Acabou que com o Firefox 3 eu abandonei mesmo o meu browser predileto: o Opera, que usei consistentemente pelos últimos cinco ou seis anos.

Tudo começou quando, no lançamento da versão 3, o Slashdot publicou um teste dizendo que o Firefox novo era muito mais eficiente no uso de memória que todos os outros browsers. Aí resolvi pagar pra ver, já que o abuso de memória do FF era um dos fatores que me afastava dele.

Em termos de velocidade o Opera continua sendo, comprovadamente, absurdamente mais rápido pra tudo – MENOS para as coisas do Google (Gmail, Google Reader, Google Calendar, etc), que uso o tempo todo. E aí veio o golpe de misericórdia: as extensões do Firefox, que nunca me atraíam o suficiente porque o que muitas delas faziam já era funcionalidade nativa do Opera. Acontece que eu só conhecia mas nunca tinha usado Greasemonkey, Firebug, FoxyTunes e a mais super-duper-útil de todas: Read It Later – a salvação dos que trabalham sob firewalls e precisam separar links para ver depois, na internet livre e desimpedida do hotel…

… que por sinal é excelente e me permite até o luxo de ver minha esposa pela webcam. E também meu cachorro, que fica desorientado quando ouve minha voz e não me vê no apartamento. Hoje ele até chorou, tadinho.

Quem diria: no século XXI, “largura de banda” significa “qualidade de vida”…

3 thoughts on “Sobre a terceira dimensão, foie gras, browsers e largura de banda”

  1. Primeiramente, o comentário do nosso querido leitor Gabriel refere-se à uma twittada que eu postei há algumas horas.

    Segundamente, o referido leitor já deveria saber que eu não compactuo com tais atos de pirataria há um bom tempo, e que os DVDs só fora comprados devido à vontade dos meus companheiros de viagem – e NÃO a minha. Tanto que meu iPod estava com a bateria cheia e eu tenho um exemplar (belíssimo, por sinal) de “Batman – o Cavaleiro das Trevas” para ler na viagem.

    Em outras palavras mais coloquiais: Deixa de ser chato, Gabriel! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *